domingo, 29 de dezembro de 2013

Vitamina C – Significado Biológico na Saúde Humana.


Vitamina C – Significado Biológico na Saúde Humana.



-Bates, C.J., 1981. The function and metabolism of vitamin C in man. In Vitamin C (Ascorbic Acid), 1st ed., Counsell JN and Hornig DH, Eds., Applied Science, London, pp: 1-22.

-Block, G., 1992. The data support a role for antioxidants in reducing cancer risk. Nutr. Res., 50: 207-213.

-Bendich, A., 1990. "Antioxidant micronutrients and immune responses". In: Bendich, A. and Chandra, R.K. (eds.). Micronutrients and immune functions. N.Y. Academy of Sciences, N.Y, pp: 175.

- Dekkers, J.C., L.J. Van Doornen and H.C. Kemper, 1996. The role of antioxidant vitamins and enzymes in prevention of exercise-induced muscle damage. Sports Med., 21: 213-238.

-Frei, B., 1994. Reactive oxygen species and antioxidant vitamins: mechanisms of action. Am. J. Med., 97: 5S-13S.

-Lehr, Hans-Anton, 1995. Protection from Oxidized LDLInduced Leukocyte Adhesion to Microvascular and Macrovascular Endothelium In-Vivo by Vitamin C but not by Vitamin E. Circulation, 91: 1525-1532.

-Pauling, L., 1976. Vitamin C, the common cold and the flu. San Francisco: WF Freeman.


Artigo editado por Khalid Iqbal, PhD

Traduzido pelo Nutricionista Reinaldo José Ferreira CRN3 – 6141
reinaldonutri@gmail.com
www.suplementacaoesaude.blogspot.com.br

As vitaminas são uma classe de nutrientes que são essencialmente requeridos pelo corpo para os seus vários processos bioquímicos e fisiológicos. Na maior parte, o corpo humano não pode sintetizá-las e, portanto, elas devem ser fornecidas pela dieta na quantidade necessária. As Vitaminas são subdivididas em vitaminas lipossolúveis e hidrossolúveis. As vitaminas lipossolúveis são aquelas solúveis em solventes a base de gordura. Elas são a A, D, E e K. As vitaminas hidrossolúveis são aquelas solúveis em água e incluem a vitamina C e as vitamina do grupo B, que são normalmente denominados como complexo vitamínico B.
Vitamina C (ácido ascórbico) é um antioxidante solúvel em água.
Foi isolado pela primeira vez em 1928, pelo bioquímico húngaro e vencedor do Prêmio Nobel Szent Gyorgyi. É um ácido instável, facilmente oxidado e pode ser destruído por oxigênio e altas temperaturas.
Ao contrário dos animais os humanos não podem sintetizar a vitamina C, tornando necessária a ingestão de suplemento exógeno ou pela própria dieta. Propôs-se que a causa da incapacidade humana para sintetizar o ácido ascórbico é a ausência da enzima ativa, L-gulonolactona oxidase no fígado (Burns, 1959).

O Corpo requer vitamina C para as funções fisiológicas normais. Ele ajuda na metabolismo da tirosina , ácido fólico e triptofano. Isso ajuda a baixar o colesterol no sangue e contribui para a síntese do aminoácido carnitina e catecolaminas que regulam o sistema nervoso. Isso é necessário para o crescimento de tecidos e cicatrização de feridas . Também ajuda na formação de neurotransmissores e aumenta a absorção de ferro no intestino . Sendo um antioxidante, protege o corpo dos efeitos prejudiciais dos radicais livres e dos poluentes .
Megadoses de vitamina C são usadas no tratamento e prevenção de um grande número de doenças como diabetes, cataratas, glaucoma, degeneração macular ,aterosclerose, acidente vascular cerebral, doenças do coração e câncer.

A deficiência desta vitamina pode levar a anemia, escorbuto, infecções, sangramento nas gengivas, degeneração muscular, má cicatrização de feridas, placas ateroscleróticas, hemorragia capilar e distúrbios neuróticos.
A toxicidade normalmente não ocorre.
As infecções esgotam as reservas corporais de vitamina C, tornando assim o sistema imunológico mais fraco. Para imunidade forte, o corpo requer vitamina C. A quantidade ideal nos tecidos corporais pode manter a resistência a infecções. A terapia com vitamina C é benéfica no tratamento de diferentes infecções e doenças infecciosas, por exemplo hepatite, HIV, infecção por H. Pylori, resfriado comum, gripe e influenza, etc. Esta revisão é uma tentativa de relatar os resultados de estudos de investigação feitos sobre o papel biológico de vitamina C, as suas utilizações em várias desordens e o papel importante que desempenha no tratamento e prevenção de infecções e doenças infecciosas.

Absorção da Vitamina C:

Em porcos da índia e humanos, a absorção de vitamina C ocorre na mucosa bucal, estômago e intestino delgado. A absorção bucal de vitamina C é mediada por difusão passiva através da membrana da cavidade bucal. Embora a absorção gastrointestinal seja através de um eficiente e ativo transporte dependente de sódio (Stevenson, 1974). Gabby e Singh (1991) também têm explicado a absorção de vitamina C por meio de um sistema de transporte ativo localizado no intestino e a sua reabsorção nos rins.

Funções Biológicas da Vitamina C:

A vitamina C ajuda no metabolismo de tirosina, ácido fólico e triptofano. Ela também ajuda no metabolismo do colesterol, aumentando a sua eliminação e, assim, ajudar a diminuir o colesterol no sangue (Rath, 1993).
A vitamina C contribui para a síntese do aminoácido carnitina e as catecolaminas, que regulam o sistema nervoso. Também ajuda o organismo a absorver o ferro e a quebrar a histamina, o componente inflamatório de muitas reações alérgicas (Gaby e Singh, 1991).
A absorção de ferro, especialmente a variedade não-heme encontradas em plantas e água potável é reforçada pela vitamina C.
Demonstrou facilitar a absorção de ferro pela sua capacidade para reduzir o ferro férrico para a forma ferrosa (Sayers et al., 1973). Normalmente a nossa absorção de ferro é bastante pobre, colocando-nos em risco de anemia por deficiência de ferro. Um miligrama de ácido ascórbico é aproximadamente equivalente em reforçar a ação de 1 g de MFP cozido, ferro presente na carne, peixe e aves (Monsen, 1978).

É também necessário para a conversão do triptofano em 5-hidroxitriptofano, precursor do neurotransmissor serotonina e da formação do neurotransmissor epinefrina e dopamina.
Uma função importante da vitamina C está na formação e manutenção de colágeno, a base dos tecidos conjuntivos, os quais são encontrados na pele, ligamentos, cartilagens, discos vertebrais, revestimentos comuns, nas paredes dos capilares, ossos e dentes. A proteína colágeno requer vitamina C para alcançar uma melhor configuração e evitar que o colágeno se torne fraco e suscetível a danos. Evidências recentes indicam que a vitamina C aumenta o nível de pró-colágeno no RNA mensageiro (Gaby e Singh, 1991).
Subunidades de colágeno são formadas nos fibroblastos como pró-colágeno, que são excretados para os espaços extracelulares.

A vitamina C é necessária para exportar as moléculas de pró-colágeno para fora da célula. A estrutura final do colágeno é formada após os pedaços de pró-colágeno serem clivados enzimaticamente (Gaby e Singh, 1991). O colágeno, e assim a vitamina C são necessários para dar apoio e forma ao corpo para ajudar a curar feridas e para manter os vasos sanguíneos saudáveis. A vitamina C protege os pequenos vasos sanguíneos dos danos, o que pode ajudar a prevenir a excessiva perda de sangue menstrual (Cohen e Rubin, 1960).
Especificamente o ácido ascórbico funciona como uma coenzima para converter prolina e lisina a hidroxiprolina e hidroxilisina, ambos importantes para a estrutura do colágeno. Ela também ajuda na produção de hormônios da tireóide.
A suplementação de 1000 mg/dia de vitamina C também demonstrou reduzir significativamente o risco de desenvolvimento de úlceras de pressão em pacientes cirúrgicos (Taylor et al., 1974).

A vitamina C é importante para a formação de colágeno e colágenos fortes são necessários para ossos fortes. Tanto a densidade dos ossos e nível de vitamina C começa a diminuir com a idade. Embora uma série de fatores contribuam para a osteoporose, estudos mostram que o status de Vitamina C em um indivíduo também está relacionado com a manutenção de ossos saudáveis. Na verdade, a vitamina C pode afetar diretamente o crescimento das células ósseas, acima e além de sua função no dever na formação de colágeno. Ingestão de ácido ascórbico, em doses moderadas é importante e seguro para a manutenção dos ossos e, portanto, um fator de atenuação ou retardamento da osteoporose (Gaby e Singh, 1991).
Como um antioxidante, o principal papel da vitamina C é neutralizar os radicais livres. Dado que o ácido ascórbico é solúvel em água, ele pode trabalhar tanto dentro como fora das células para combater os danos dos radicais livres. Os radicais livres procuram um par de elétrons para recuperar a sua estabilidade.

A vitamina C é uma excelente fonte de elétrons , por isso, " pode doar elétrons para os radicais livres , tais como hidroxila e superóxido radicais e saciar ou impedir a sua reatividade " (Bendich, 1990).
A vitamina C protege o DNA das células contra os danos causados por radicais livres e agentes mutagênicos . Ela impede que alterações genéticas nocivas ocorram nas células e protege linfócitos de mutações aos cromossomos (Gaby e Singh, 1991) .
A vitamina C previne danos dos radicais livres nos pulmões e pode até mesmo ajudar a proteger o sistema nervoso central de tais danos (Kronhausen et al. , 1989a). Em um estudo com cobaias, o pré-tratamento com ácido ascórbico efetivamente diminuiu a lesão pulmonar aguda causada pela introdução do ânion superóxido (radicais livres) para a traquéia (Becher e Winsel, 1989).
O ácido ascórbico também foi testado como um antioxidante em uma reação inflamatória em ratos . Altas doses dadas depois, mas não antes da lesão suprimiram com sucesso o edema provocado pelo câncer (Spillert , 1989).
Como um antioxidante, a vitamina C pode renovar a vitamina E, tornando-se um colaborador indireto para a luta contra os danos dos radicais livres nos lipídios. Não é surpreendente, então, que esses dois nutrientes podem ser parceiros eficazes na redução do processo destrutivo por peroxidação lipídica.

Em estudos com seres humanos e animais esta redução ocorreu em pacientes com diabetes, arteriosclerose cerebral ou uma desordem cardíaca (Karagezian e Gevorkian, 1989;. Bobyrev et al, 1989; Berta, 1991). Juntos, vitamina C e vitamina E podem ajudar a prevenir a coagulação do sangue, uma condição que contribui para o risco de acidente vascular cerebral (Kronhausen et al., 1989b). A combinação sinérgica de vitamina C e
vitamina E pode ser ainda aumentada pela adição de vitamina A. Em um estudo esta combinação foi eficaz na melhoria das características "enzimáticas e não enzimáticas de proteção antioxidante do fígado" em ratos (Kuvshinnikov, 1989). Uma combinação clássica antioxidante é formada quando a vitamina C, é adicionada de vitamina E, betacaroteno e selênio.
Isso ajudou a aliviar a pancreatite ou a inflamação do pâncreas em um estudo.

ROS (Reactive Oxygen Species ) induzem e reforçam a peroxidação lipídica, e desempenham um papel importante no mecanismo de lesão gástrica induzida pela Aspirina, a vitamina C atenua o efeito nocivo do ácido acetilsalicílico na úlcera, devido à sua atividade antioxidante por mecanismos que envolvem a preservação da microcirculação gástrica e atenuação da peroxidação de lipídios e na liberação de citocinas e acoplamento do NO à aspirina não atrasando a cicatrização da úlcera, sugerindo que o NO pode compensar a deficiência de prostaglandina induzida por medicamentos anti-inflamatórios não esteróides ( Brzozowski et al., 2001).
Os idosos que tomam vitamina C e suplementos de vitamina E têm um risco 50% menor de morrer prematuramente de doença do que as pessoas que não suplementam (Losonczy , 1996). Um estudo californiano concluiu que as pessoas que consomem mais de 750 mg / dia de vitamina C reduzem o risco de morte prematura em 60% (Enstrom , 1992).
A vitamina C protege o esperma de dano oxidativo (Fraga et al., 1991), melhora a qualidade do esperma em fumantes (Dawson et al., 1992) e é eficaz no tratamento de aglutinação de espermatozóides, uma condição, que faz com que o esperma fique agrupado (Dawson et al ., 1983).

Um grama de vitamina C, tomada diariamente, ajuda a aumentar a fertilidade em homens que têm problemas com a aglutinação de espermatozóides (Dason et al., 1990).
A vitamina C combate poluentes ambientais de forma generalizada, incluindo CO, hidrocarbonetos, pesticidas e metais pesados, estimulando enzimas no fígado que desintoxicar o corpo. Em vários estudos, a vitamina C reduziu
anormalidades cromossômicas em trabalhadores expostos a poluentes como o alcatrão de carvão, estireno, metacrilato de metila e éteres halogenados. A vitamina C também nos protege, impedindo o desenvolvimento das nitrosaminas, bloqueando os produtos químicos que se originam a partir dos nitratos contidos em muitos alimentos (Gaby e Singh, 1991).
Combine a ingestão de vitamina E e vitamina C, por pelo menos 10 anos para ajudar a manter melhores funções cognitivas em mulheres a partir dos 70 anos (Grodstein et al., 2003).


Função da Vitamina C em várias Desordens Corporais:

Os estudos relatam que o indivíduo diabético tem baixos níveis de vitamina C no plasma e nas células brancas do sangue (Cunningham et al ., 1991 ), que constituem a nossa defesa imunitária . Ensaios clínicos em larga escala são necessários para determinar se a suplementação com grandes doses de vitamina é benéfica ou não. Alguns estudos menores descobriram que a suplementação com 2 g / dia reduziu os níveis de glicose em jejum (um efeito benéfico) e reduziu a fragilidade capilar em diabéticos. Mega doses de vitamina C podem, contudo, ser tóxicas em diabéticos com certos distúrbios renais (Goldburg, 1993; Will e Tyers, 1996). Suspeita-se que a vitamina C ajuda o corpo a reduzir a glicosilação, que é uma ligação anormal de açúcares com proteínas; danificando as proteínas corporais. Ela também reduz a acumulação de sorbitol açúcar (Will e Tyers , 1996), o que pode danificar olhos e rins .
A vitamina C reduz os níveis de pressão arterial e colesterol, ajuda a diluir o sangue e protege contra a oxidação, trabalha em estreita sinergia com a vitamina E (Rath , 1993; Whitaker , 1985; Trout et al , 1991).


A Vitamina C em doses de cerca de 1 g por dia demonstrou ajudar a proteger o organismo contra lipoproteína de baixa densidade (LDL) ( Frei, 1991). A aterosclerose é um dos principais contribuintes para doenças cardíacas; a vitamina C pode evitar a formação da placa pela inibição da modificação oxidativa do LDL. O LDL pode contribuir para o processo de aterosclerose através dos seus efeitos citotóxicos, a absorção pelo receptor de limpeza e influência sobre monócitos e motilidade dos macrófagos (Jialal, 1990). A vitamina C também ajuda a prevenir a aterosclerose através do reforço das paredes das artérias através da sua participação na síntese de colágeno, evitando a adesão indesejável de células brancas do sangue para as artérias danificadas (Rath, 1993; Weber, 1996; Lehr, 1995).
A suplementação com 2 g / dia de vitamina C demonstrou reduzir a aderência de monócitos (células brancas do sangue ) para o revestimento dos vasos sanguíneos e, assim, reduzir o risco de aterosclerose (Weber , 1996; Lehr, 1995; Heitzer, 1996). A suplementação com vitamina C (2 g / dia) também inverte efetivamente a disfunção vasomotora frequentemente encontrada em pacientes com aterosclerose (Levine, 1996).


Além da vitamina C aumentar a lipoproteína de alta densidade (HDL), ou nosso colesterol benéfico (Gaby e Singh, 1991); algumas pesquisas muito recentes realizadas no Japão demonstram que a restenose (religamento das artérias abertas) após a angioplastia pode ser significativamente reduzida, com a suplementação de ácido ascórbico (500 mg / dia) (Tomoda, 1996).
Uma ingestão adequada desta vitamina é altamente protetora contra derrame e ataque cardíaco (Gale, 1995; Wood House et al, 1994;. Sahyoun, 1996). Um estudo recente mostrou que pessoas que suplementam com mais de 700 mg / dia de vitamina C têm um risco 62 % menor de morrer de doença cardíaca do que as pessoas com uma ingestão diária de 60 mg / dia ou menos (Sahyoun, 1996).
Um estudo mostrou que baixas taxas séricas de ácido ascórbico (SAA), os níveis são marginalmente associado com um maior risco de doença cardiovascular fatal e significativamente associada com um maior risco de mortalidade por todas as causas. Baixos níveis de SAA também são um fator de risco de morte por câncer em homens.
A vitamina C tem um efeito anti-histamínico. Pessoas com níveis baixos de ácido ascórbico no plasma têm elevados níveis de histamina no sangue e a suplementação com ácido ascórbico reduz a histamina no sangue.


Estudos recentes têm demonstrado que a concentração de vitamina C no sangue a de pacientes com artrite reumatóide são extremamente baixos e que a vitamina C pode proteger contra danos adicionais nas articulações inflamadas (Lunec, 1985; Halliwell, 1987). A vitamina C, também aumenta a excreção urinária de ácido úrico (Stein, 1976). A vitamina C pode proporcionar aos podólogos (nos EUA são médicos especializados nas baixas extremidades), um tratamento suplementar ou alternativo aos pacientes com artrite reumatóide (Davis, 1990). Um outro estudo revelou que o esgotamento rápido da vitamina C no local de uma inflamação, tais como degradação proteolítica nas articulações, pode facilitar a artrite (Helliwell, 1987) .
Ácido Ascórbico também tem sido útil para o alívio da dor nas costas e dor nos discos vertebrais inflamados.
Os antioxidantes , como a vitamina C e vitamina E são uma parte importante de defesa do corpo contra a lesão muscular relacionada ao exercício. Exercícios extenuantes aumentam a produção de radicais livres em nosso corpo, que por sua vez podem causar danos ao músculo, que se manifestam como músculos inchados ou doloridos. Enquanto o exercício aumenta a defesa natural do corpo contra os radicais livres, os atletas que estão fazendo treinamento intenso podem se beneficiar da adição de suplementos antioxidantes em suas dietas (Dekkers et al., 1996).
A vitamina C que atua como um antioxidante, também é útil no tratamento de asma (Ruskin, 1947). Na asma, a vitamina C pode aliviar o broncoespasmo causado por estímulos nocivos ou quando esta sensação de aperto no peito, é experimentada durante o exercício (Meric et al., 1991). Altas doses (1- 2g / dia) de vitamina C demonstrou reduzir significativamente os sintomas da asma (Hatch et al., 1995).

As cataratas são extremamente comuns e acontecem com a maioria das pessoas à medida que envelhecem (Kahn et al., 1977). Elas aparecem com mais frequência em fumantes e em pessoas com diabetes. Uma dieta rica em antioxidantes (vitamina E e vitamina C, especialmente) pode ajudar a prevenir ou retardar a formação de cataratas, como o dano oxidativo parece ser uma das causas do seu desenvolvimento (Palmquist et al., 1984). Como o
dano oxidativo é uma causa suspeita de cataratas, a adição de antioxidantes na dieta pode ajudar a prevenir a sua ocorrência. Níveis de antioxidantes baixos têm sido frequentemente encontrados em pacientes com catarata (Jacques e Chylack, 1991). A Vitaminas C, é o antioxidante mais comumente encontrados nos olhos (Taylor et al., 1991). Uma vez que os níveis de vitamina C parece diminuir com a idade (Taylor, 1993), os suplementos são recomendados e ajudam a diminuir a probabilidade de desenvolvimento de cataratas (Jacques et al., 1988).

Há muito tempo se aceita que uma dieta rica em vitamina C com uma boa ingestão de frutas e legumes fornece proteção contra o câncer (Uddin e Sarfraz, 1995). Numerosos estudos têm mostrado que a ingestão adequada de vitamina C é eficaz na redução do risco de desenvolver câncer da mama, do colo do útero, do cólon, reto, esôfago, laringe, pulmão, boca, próstata e estômago (Levine, 1996; Block, 1992; Frei, 1994; Block, 1991; Jacobs, 1993). A ingestão de vitamina C demonstrou ter uma relação inversa com o câncer gástrico. Recentes estudos de acompanhamento sobre as populações de alto risco sugerem que o ácido ascórbico, a forma reduzida da vitamina C, protege contra o câncer gástrico, para que o H. pylori é um fator de risco significativo (Feiz e Mobarhan, 2002).


Vitamina C – Imunidade e Infecções:

A Infecção significa a entrada, o crescimento e a multiplicação de um micro-organismo (patógeno) no corpo de um hospedeiro resultando na estabelecimento de um processo de doença. Uma doença infecciosa representa um combate entre duas forças vivas - o organismo invasor e o organismo invadido. O invasor pode ser uma bactéria, fungo ou vírus; desta forma o corpo humano é invadido e o processo patológico é instalado.
A Infecções inicia uma interações bi direcional com o mecanismos de defesa do hospedeiro, tanto imunológica e inespecífica e também interage com o status nutricional status do hospedeiro.
A vitamina C pode aumentar a resistência do corpo a uma grande variedade de doenças, incluindo doenças infecciosas.
Ela reforça e protege o sistema imunológico, estimulando a atividade dos anticorpos e células do sistema imunitário tais como os fagócitos e neutrófilos (Kronhausen et ai ., 1989).


A Vitamina C funciona estimulando o sistema imunológico na proteção contra danos causados pelos radicais livres liberados pelo organismo em sua luta contra a infecção (Sies e Wilhelm, 1995). Como um constituinte do colágeno, a vitamina C pode contribuir para a defesa imunológica de uma forma ainda mais fundamental " a pele e o revestimento epitelial dos orifícios do corpo, sendo que ambos contém colágeno, servindo como primeira linha de defesa contra invasores externos (Gaby e Singh, 1991). Também estimula a produção de PGE 1, uma prostaglandina, que auxilia os linfócitos, as células de defesa do sistema imunitário.
A vitamina C ajuda o sistema imunológico a combater vírus (Anderson e Lukey, 1987). Ela atua como um agente antiviral (Gerber et al ., 1975), elevando os níveis de interferon no corpo. Mesmo tomada em pequenas quantidades, parece reduzir a duração e severidade de doenças (Hemilä, 1992) . Gaby e Singh (1991) relatam que, em 1981, em um estudo, quando 1 g de vitamina C foi administrado por via intravenosa em indivíduos saudáveis, após uma hora, a motilidade dos neutrófilos e a transformação de leucócitos no sangue aumentou significativamente nos indivíduos. Outros estudos sustentam que a vitamina C aumenta as funções dos leucócitos. Demonstrou também diminuir a atividade bacteriológica (Gaby e Singh, 1991). Estudos in vitro mostram que a vitamina C estimula a fagocitose. Além disso, a vitamina C pode reduzir a atividade supressora dos leucócitos mononucleares, o que enfraquece a eficácia global do sistema imunitário (Gaby e Singh, 1991).
Num estudo em cobaias, o anticorpo para um determinado antígeno respondeu mais rapidamente quando os animais receberam vitamina C. Um outro estudo com frangos mostrou que com a ingestão de 330 mg de vitamina C, apenas 19 % do animais suplementados contraíram a infecção, enquanto 76% dos frangos do grupo controle não suplementadas foram infectados, quando expostos a infecção por E. coli (Gross e Cherry, 1988).

Mais pesquisas devem ser feitas para melhorar a prevenção e tratamento de infecções.
Duas vezes vencedor do Prêmio Nobel, o Dr. Linus Pauling foi o principal pesquisador a reconhecer a crucial importância da vitamina C no fortalecimento e manutenção de um sistema imunitário saudável. Em 1970, Linus Pauling, propôs que tomar 1.000 mg de vitamina C diariamente reduziria a incidência de resfriados em 45% na maioria das pessoas, mas que algumas pessoas podem precisar de doses muito maiores (Pauling, 1970). Em 1976, ele propôs ainda doses mais elevadas, em seu livro "A vitamina C, e o resfriado comum "(Pauling, 1976). O próprio Pauling informou ter usado 12.000 mg de vitamina C diariamente, chegando aos 40.000mg quando os sintomas de um resfriado apareceram (Pauling, 1982).
Vários estudos não suportam a hipótese de que mega-doses de vitamina C tenham um efeito profilático no resfriado comum (Hamila, 1992). No entanto, a vitamina C constantemente diminui a duração e severidade dos sintomas.

Em um grande estudo, 260 pacientes com hepatite viral A, suplementaram com 300 mg de vitamina C por dia, durante várias semanas. Os pesquisadores, que estudaram indicadores do sistema imunológico, tais como imunoglobulina sérica e neutrófilos, concluíram que a vitamina C "exerce uma notável ação moduladora no siatema imune (Vasiliev et al., 1989). Outros estudos também têm demonstrado a ação da vitamina C na redução do risco de infecção por hepatite (Knodell et al., 1981).
Um estudo de 14 pacientes com brucelose crônica constatou que vitamina C "pode restaurar parcialmente a função periférica dos monócitos e ajudar o sistema monócitos-macrófagos para montar uma resposta imune eficaz contra a infecção.


Nota do Nutricionista:

Observe as duas citações abaixo: (o artigo acima relata muito mais)

“Uma ingestão adequada desta vitamina é altamente protetora contra derrame e ataque cardíaco (Gale, 1995; Wood House et al, 1994;. Sahyoun, 1996). Um estudo recente mostrou que pessoas que suplementam com mais de 700 mg / dia de vitamina C têm um risco 62 % menor de morrer de doença cardíaca do que as pessoas com uma ingestão diária de 60 mg / dia ou menos (Sahyoun, 1996).”
“O colágeno, e assim a vitamina C são necessários para dar apoio e forma ao corpo para ajudar a curar feridas e para manter os vasos sanguíneos saudáveis. A vitamina C é importante para a formação de colágeno e colágenos fortes são necessários para ossos fortes.”

Eis a pergunta que paira no ar...
Será que os 60 mg recomendadas nas RDAs são suficientes para tantas funções importantes ??

sexta-feira, 27 de dezembro de 2013

Jejum Intermitente (Esquema 5/2), direcionado para Fisiculturistas e Atletas.


Jejum Intermitente (Esquema 5/2), direcionado para Fisiculturistas e Atletas.   


-James E Brown, Michael Mosley and Sarah Aldred. Intermittent fasting: a dietary intervention for prevention of diabetes and cardiovascular disease? British Journal of Diabetes & Vascular Disease. 2013; 13: 68.

Artigo editado por TC Luoma

Traduzido pelo Nutricionista Reinaldo José Ferreira CRN3 – 6141
reinaldonutri@gmail.com
www.suplementacaoesaude.blogspot.com.br

Aqui está o que você precisa saber ...
• Uma dieta com jejum intermitente pode permitir que você perca gordura e ao mesmo tempo, ganhe massa muscular.
• Você só deve passar por jejum intermitente nos dias que você não treina ou nos dias de cardio.
• Mesmo que a perda de gordura não seja o seu principal objetivo, este plano de dieta pode aumentar a sensibilidade à insulina e aprimorar o seu metabolismo para uma fase de grande fortalecimento e ganho muscular.
Embora as origens da dieta que estou propondo são baseados na ciência e pesquisas legítimas, eu simplesmente realizei algumas adaptações às necessidades dos levantadores , fisiculturistas e atletas.
O plano de perda de gordura que eu modifiquei é conhecido tanto como "A Dieta do Jejum Intermitente" ou a Dieta de 5/2 (adaptada), cujos dois autores; Dr. Michael Mosley e Mimi Spencer escreveram um livro. A dieta é baseada no jejum intermitente , que é exatamente o que parece – você vai ficar sem se alimentar, mas não de forma contínua e agonizante. Em vez disso, você vai ficar sem se alimentar intermitentemente por períodos mais curtos, durações totalmente factíveis (mas ainda incrivelmente eficazes).

Vou te dar a minha versão adaptada do plano agora em um parágrafo :
Você se alimenta normalmente 5 dias por semana. Mas em 2 dias não consecutivos, sendo que ambos são ou dias de folga de treino ou dias de cardio, você vai fazer apenas duas refeições, com um intervalo de 12 horas, para um total de 800 calorias por dia para os homens ou 600 calorias para mulheres.
Esta maneira de se alimentar irá permitir que você perca cerca de um quilo de gordura por semana, enquanto ainda consiga ganhar músculos e força. Creio que também será privilegiado por um ganho muscular sem precedentes, uma vez que vai redefinir a sua sensibilidade à insulina. Ah sim, ela provavelmente vai também melhorar a sua química sanguínea dramaticamente, proteger o seu coração, prevenir o câncer, e fazer você viver mais tempo, é realmente um benefício inigualável !!


Qual o Segredo desta Incrível Dieta?

Jejum em geral, é o mais antigo de todos os planos de dieta, provavelmente vindo a existir quando Anthony disse para Cleópatra que ela parecia obesa em sua túnica. Fazia sentido, pelo menos na superfície: reduzir drasticamente as calorias para seu corpo queimar a gordura na intenção de preservar a vida.
Mas o jejum é problemático para toda uma série de razões. É psicologicamente brutal e não pode ser sustentado. Faz você se sentir mal, provca mau hálito, faz com que sua mera presença seja desagradável para todas as almas decentes e, mais significativamente para fisiculturistas e atletas em geral, porque o jejum destrói massa muscular.
No entanto, o jejum tem seus efeitos benéficos. Você certamente vai perder gordura corporal. Você pode até se sentir com uma melhor raciocínio ou mentalmente mais lúcido, até um certo ponto. E o mais importante, o incrível detalhe na melhora da sensibilidade à insulina.
Quando você come o tempo todo, ou quase todo o tempo, os níveis de insulina são sempre elevados e, consequentemente, o seu corpo está sempre em modo de armazenamento de gordura. Desde que seu sangue continua a ser uma substância açucarada mais quimicamente parecida com o Mountain Dew (Refrigerante), do que com um sangue saudável, o pâncreas é forçado a bombear quantidades crescentes de insulina.

A gordura continua aumentando, mas um evento ainda mais sinistro ocorre - as células param de responder à insulina e você tornar-se clinicamente diabético Tipo 1 ou Tipo 2 . Mais gordura se acumula. As calças necessitam um novo ajuste .
É a minha afirmação de que muitas pessoas (ou atletas) estão à beira do precipício para adquirir o diabetes. Eles estão sempre comendo para garantir um fluxo constante de nutrientes, porque lhes disseram para comer dessa maneira, porque este é o caminho para o ganho muscular, desta forma seus níveis de insulina são sempre altos e sua sensibilidade à insulina , eventualmente, fica muito baixo. É uma má receita que leva a composição corporal pobre e problemas de saúde em geral.
Felizmente, depois de apenas algumas horas de jejum, a sensibilidade à insulina começa a melhorar e o corpo muda do modo de armazenamento de gordura para o modo de queima de gordura , portanto, a eficácia do jejum intermitente (IF – Intermittent Fasting) é uma estratégia benéfica para a perda de gordura e manutenção da saúde.

Bons Resultados com Animais e Humanos:

Existem muitos estudos com animais de laboratório e IF. Um em particular realizado no Instituto Salk envolveu dois grupos de ratos em dietas isocalóricas. Ambos os grupos comeram a mesma dieta (alto teor de gordura) e a mesma quantidade de calorias, mas um grupo foi autorizado a comer livremente, enquanto o outro grupo teve de consumir toda a sua cota de alimentos em 8 horas. O último grupo, com efeito, passou 16 horas em jejum.
Após 100 dias, os ratos que realizaram o jejum apresentam uma redução de 28% no peso e apresentaram níveis mais baixos de colesterol, glicose sanguínea, menos danos ao fígado e níveis mais baixos de inflamação crônica. Claramente, neste experimento, as vantagens foram soberanas.

Dr. Michelle Harvie, junto com seus colegas, conduziu um outro estudo sobre IF, este composto de 107 humanos do sexo feminino. As mulheres no estudo foram aleatoriamente designados para um dos dois grupos, o primeiro composto por mulheres que possam restringir suas calorias diárias em 25% sete dias por semana, e o segundo composto por mulheres que também possam restringir suas calorias em 25%, mas apenas em dois dias por semana.
Após 6 meses, ambos os grupos tinham perdido a mesma quantidade de gordura, juntamente com reduções comparáveis, na proteína C-reativa, colesterol total e LDL, triglicérides e pressão arterial. O mais surpreendente, porém, o grupo IF sofreu uma maior redução da resistência à insulina do que o grupo que realizou a dieta 7 dias por semana. Realmente impressionante !!

Valorize sua Sensibilidade Insulínica:

Os dados indicam que o jejum intermitente é uma maneira inteligente de perder gordura corporal, com enormes implicações para a composição corporal e química sanguínea, mas é uma abordagem inteligente para levantadores de peso? Eu digo que sim.
Aqui está o meu pensamento. No mundo da composição corporal, a sensibilidade à insulina é tudo. Quanto mais sensíveis são as suas células à insulina, melhor serão seus resultados, tanto na construção muscular como também na definição da musculatura. Na verdade, a manipulação da insulina é um dos segredos da musculação.
Portanto, se, especificamente a versão 5/2, deve permitir que um levantador possa ficar mais rasgado a cada semana que passa sem perder massa muscular. Ele também poderia, teoricamente, permitir que um fisiculturista que passa por uma fase de volume, ainda consiga perder gordura corporal, simplesmente por causa do aumento da sensibilidade à insulina que os faz aumentar os músculos mais facilmente e ao mesmo tempo perder gordura.

Como é exatamente este Plano ?

1. Cinco dias por semana, comer o que você come normalmente.
2. Em dois dias não consecutivos da semana, comer duas refeições de aproximadamente 400 calorias, com 12 horas de intervalo. Estes dois dias devem ser dias sem musculação ou dias de cardio de forma a não interferir com a cicatrização pós-treino e hipertrofia.
3. Em seus dois dias de jejum, beba dois dosadores de uma formulação de proteína de absorção rápida (Whey), seja como parte de cada refeição de 400 calorias, ou 30 minutos antes de cada refeição, para garantir que não ocorra absolutamente nenhuma possibilidade de perda de massa muscular durante os períodos de jejum.

Perguntas e Respostas:

1 . Será que vou sentir muita fome em dias de jejum ?
Talvez, mas procure não se entregar e comer.
2 . Será que vou ter problemas para dormir em dias de jejum ?
Deixe para fazer sua segunda e última refeição pouco antes de dormir.
3 . É uma dieta difícil de fazer ?
É muito fácil para a maioria das pessoas. Diferentemente da maioria dos planos alimentares, não irá interferir muito com a sua vida social.
4 . Posso continuar ganhando músculos com este plano ?
Absolutamente . O Plano de 5/2 para Fisiculturistas melhora a sensibilidade à insulina, e no mundo do crescimento muscular, este é o fator mais importante.
5 . Os dias de jejum não interferem no crescimento e reparação muscular ?
É altamente improvável , especialmente se você proteína pulso durante a dieta . Os momentos mais cruciais para o crescimento e reparação são as poucas horas imediatamente após o treino. É por isso que a nutrição no pós-treino é tão importante.
Por esse motivo você não deve jejuar em dias de treino, e sim apenas em dias sem treino ou dias de cardio.

6 . Eu posso super compensar e comer mais nos dias que não realizar o jejum ?
É possível que você possa comer mais no dia após o jejum, mas não parece ser um problema, tanto as pessoas que seguem a dieta do jejum original ou qualquer outro pequeno grupo de fisiculturistas que esteja seguindo a minha versão da dieta. Por incrível que pareça , ela funciona igualmente.
7 . Quais os tipos de refeições que devo comer em meus dias de jejum ?
Você pode ter as refeições de fortalecimento muscular normal, só que muito menores. Por exemplo, dois bifes de 120g cada e uma xícara de brócolis picado fornecem cerca de 300 calorias . Uma scoop de whey protein são mais 100 calorias e você está perto de 400 calorias , que é metade de sua cota do dia. Admitindo-se que não é muita comida, você tomar café sem açúcar para enganar a fome.
8 . Quanta gordura posso perder com a dieta ?
Você deve perder cerca de um quilo de gordura por semana, além de , melhorar sua construção muscular por causa do aumento da sensibilidade à insulina.
9 . Será que este plano de dieta funciona para as mulheres também?
Não tenha dúvida , só que elas devem procurar comer 600 calorias por dia, em vez de 800; em seus dois dias de jejum não consecutivos.
Devo observar que a dieta original, conforme previsto por Mosley e Spencer, recomenda-se que os homens comam 600 calorias por dia de jejum , em vez dos 800 como eu prescrevi , e as mulheres comerem 500 em vez das 600 que eu recomendo. Eu manipulei os números porque os atletas e levantadores são pessoas diferentes do que aqueles que compõem o público em geral; e principalmente porque seu metabolismo basal é maior.
10 . Quanto tempo devo seguir o esquema 5/2 para atletas ?
Você pode fazê-lo durante o tempo que você quiser e você não deve sentir quaisquer retornos decrescentes. Você pode, eventualmente, ficar sem gordura para queimar, enquanto desfruta os efeitos de fortalecimento muscular; provocados pela forte melhora da sensibilidade à insulina.



Artigo Complementar: Jejum Intermitente – Cardiopatia, Diabetes e Obesidade.


-Petersen JL, McGuire DK. Impaired glucose tolerance and impaired fasting glucose — a review of diagnosis, clinical implications and management. Diabetes Vasc Dis Res. 2005; 2: 9-15.

-Birkenhager JC, Haak A, Ackers JG. Changes in body composition during treatment of obesity by intermittent starvation. Metabolism: clinical and experimental. 1968; 17: 391-9.

-EH Schwarz P. Preventing type 2 diabetes – how to proceed? Br J Diabetes Vasc Dis. 2011; 11: 158-60.

-Lim EL, Hollingsworth KG, Aribisala BS et al. Reversal of type 2 diabetes: normalisation of beta cell function in association with decreased pancreas and liver triacylglycerol. Diabetologia. 2011; 54: 2506-14.

-Mattson MP, Wan R. Beneficial effects of intermittent fasting and caloric restriction on the cardiovascular and cerebrovascular systems. J Nutrit Biochem. 2005; 16: 129-37.



O aumento da prevalência da obesidade e do diabetes tipo 2, nas últimas décadas tem sido associado com o aumento de comorbidades, incluindo a doença macrovascular aterosclerótica e mortalidade prematura. Indivíduos com graus sub diabéticos de hiperglicemia, como IGT (Tolerância a glicose prejudicada) e IFG (Glicemia de jejum alterada) também estão em maior risco de doença cardiovascular prematura, enfatizando a importância de intervenções para melhorar a homeostase da glicose no pré-diabético, bem como em indivíduos diabéticos.
Diversos grandes estudos identificaram indivíduos pré-diabéticos como sujeitos para investigar mudanças de estilo de vida, visando prevenir a progressão para um estado diabético fulminante. No entanto, há um debate considerável sobre a forma mais eficaz em que as mudanças de estilo de vida como dieta e / ou o exercício devem ser implementadas. A abordagem do jejum intermitente está gerando interesse particular.

Jejum Intermitente e Obesidade:

Jejum intermitente é conhecido por ser útil no tratamento da obesidade intratável, e regimes para tratamento de obesidade mórbida. Tratamentos originais com regimes foram baseados em ações muito restritivas, fazendo o paciente sentir muita fome. Um regime muito severo é um desafio a sua própria adesão. Apesar da natureza aparentemente rigorosa dos dias de jejum intermitente, este geralmente tem um bom registro de aderência e pode causar reduções significativas no peso corporal em indivíduos com obesidade, sugerindo que esta é uma abordagem terapêutica clinicamente relevante.



Jejum Intermitente e Diabetes:

Como a obesidade geralmente coexiste com o diabetes tipo 2, os pacientes são geralmente direcionados inicialmente a intervenções de estilo de vida que visam a redução do peso corporal. A maioria dos pacientes com diabetes tipo 2 e obesidade no entanto vai progredir para o uso de drogas terapêuticas como base, algumas das quais podem agravar a obesidade. O Jejum intermitente pode reduzir a incidência de diabetes em animais experimentais e há evidências de que este tipo de jejum podem também retardar a progressão da diabetes de tipo 2 em indivíduos obesos.
De fato, um estudo recente confirmou os relatórios anteriores de uma reversão do diabetes tipo 2 através de restrição calórica diária, com melhora da função pancreática e uma redução da deposição de triglicérides ocultos.

A dieta particular utilizada, no máximo 600 calorias a cada dia, o que pode ser muito grave para muitos pacientes diabéticos tipo 2, mas uma estratégia de jejum intermitente pode ser mais aceitável e ainda melhorar os parâmetros metabólicos, níveis de insulina e sensibilidade à insulina e evitar o desenvolvimento das complicações diabéticas. Na verdade, o jejum intermitente pode atingir grande parte do benefício observado com a cirurgia bariátrica, mas sem os custos e os riscos associados com a cirurgia.
Se o jejum intermitente pode ser usado como uma ferramenta para prevenir o diabetes em pessoas com IGT ou IFG, ou para prevenir a progressão em que foram recentemente diagnosticados com diabetes do tipo 2, realmente se torna algo tentador e extremamente benéfico.


Jejum Intermitente e Cardiopatia:


Embora mais de 80% dos diabéticos obesos tipo 2 venham a óbito por complicações cardiovasculares, e os benefícios da perda de peso sejam bem reconhecidos; como sabemos também da dificuldade dos indivíduos com diabetes tipo 2 para perder peso.
O jejum intermitente representa uma terapia potencial para aqueles com alto risco cardiovascular. O Jejum intermitente em modelos animais pode reproduzir alguns dos benefícios cardiovasculares, tais como melhorias na pressão arterial e frequência cardíaca, que são vistos com o exercício físico.

Estudos sobre a restrição calórica têm mostrado melhorias nos níveis de colesterol, triglicérides, melhora da pressão arterial e redução da espessura da camada íntima da carótida. Além disso, as melhorias nos parâmetros fisiológicos cardiovasculares estão associados com o jejum intermitente como a sobrevivência de isquemia cardíaca através do efeito pró-angiogênico (formação de novos vasos sanguíneos), anti-apoptótico e anti-remodelação.


Nota do Nutricionista:

Neste artigo podemos observar os benefícios do jejum intermitente para atletas, pessoas comuns, cardiopatas, obesos e diabéticos.
Essa dieta fornece um vantagem muito significativa, o aumento da sensibilidade à insulina; que a maioria das pessoas perderam pelo excesso do consumo de carboidratos.
Felizmente uma nova opção para um corpo mais definido, para o controle de doenças graves e também para o aumento da expectativa de vida ou longevidade.
Agora precisamos colocar em prática !!

quarta-feira, 25 de dezembro de 2013

Alimente-se de Forma Alcalina e Maximize sua Saúde


Alimente-se de Forma Alcalina e Maximize sua Saúde.


-Wojtkowiak JW and Gillies RJ. Autophagy. 2012 Nov;8(11):1688-9.

-Robey IF, et al. Cancer Res. 2009 March 15;69(6):2260-8.

-Brizel DM, et al. Int J Radiat Oncol Biol Phys. 2001;51:349-53.

-Martinez-Zaguilán R, et al. Clin Exp Metastasis. 1996 Mar;14(2):176-86.

-Robey IF. Nutr Metab (Lond). August 1, 2012;9(1):72. [Epub ahead of print.]

-Lemann J Jr., et al. Kidney Int. 1989;35:688-95.

-McCarty MF and Whitaker J. Altern Med Review. 2010 Sep;15(3):264-72.



Artigo editado por Chris D. Meletis, N.D.

Traduzido pelo Nutricionista Reinaldo José Ferreira CRN3 – 6141
reinaldonutri@gmail.com
www.suplementacaoesaude.blogspot.com.br


Quando você possui um cheeseburger ou um pedaço de bolo para o jantar, você pode pensar sobre as consequências que podem ter sobre a sua cintura ou seus níveis de colesterol. Mas o que você provavelmente não considera é como ela está afetando a alcalinidade do seu corpo.
No entanto, com base em pesquisa atual, se o seu corpo é mais ácido ou alcalino, esse simples detalhe pode ser um dos fatores mais importantes que determinam o quão saudável você é e quais doenças você pode contrair.

Perigos da Dieta:

Sem níveis de pH apropriados em torno de organismos vivos e células, a vida na Terra não seria possível. A vida humana depende de um nível de pH fortemente controlado no sangue. A taxa necessária de pH para a sobrevivência humana é entre 7,35 a 7,45 (ligeiramente alcalino).
No entanto, a carga ácida líquida da dieta humana mudou muito a partir da civilização pré histórica até os dias atuais. Como a agricultura tornou-se mais difundida ao longo dos últimos milhares de anos e a industrialização aumentado ao longo dos últimos 200 anos, o potássio diminuiu em relação ao sódio. Cloreto também aumentou em comparação com o bicarbonato encontrado na dieta. A razão de potássio para sódio anteriormente era de 10 para 1. Na dieta moderna, é de 1 para 3,1.

A dieta moderna é deficiente em magnésio, potássio e fibras e rica em gordura saturada, açúcares simples, sódio e cloreto. Isso resulta em uma dieta que transfere para o corpo um estado de acidose metabólica.
A maioria das pessoas no mundo ocidental tem um corpo muito ácido, o resultado de comer muita proteína de origem animal, produtos lácteos e grãos. Frutas e legumes, por outro lado, muitas vezes falta na dieta americana e em várias outras, o que deixaria o corpo em um estado mais alcalino. É este estado alcalino, que pode beneficiar a nossa saúde.


Combatendo o Câncer:

Embora o pH intracelular da maioria das células de câncer seja normal, o pH extracelular de tumores sólidos malignos é ácido, variando entre 6,5-6,9. Isso ocorre porque as células cancerosas convertem glicose em ácido lático. Os tecidos normais, por outro lado, são significativamente mais alcalinos, de 7,2 a 7,5.
A acidose extracelular é tóxica para a maioria das células normais. Mas as células cancerosas podem se adaptar e prosperar mesmo nessas condições.
As células tumorais usam este meio ácido em seu benefício uma vez que o pH ácido estimula a invasão de células tumorais e propagação do câncer (conhecido como metástase).
O ácido a partir do tumor se difunde para os tecidos normais adjacentes onde se muda a estrutura do tecido de uma forma que permite a invasão local das células cancerosas. Este foi apoiado por um estudo em que regiões de maior invasão tumoral correspondem a áreas de menor pH (ácido) e a invasão tumoral não ocorreu em regiões com normal ou quase normal pH extracelular.

Quanto mais baixo o pH em tumores tal como medido pela sua níveis de lactato, melhor o prognóstico. Quanto mais ácido o tumor, pior será o resultado. O baixo pH aumenta a liberação da enzima catepsina B. Quando a catepsina B atinge níveis muito elevados , ela pode desencadear o desenvolvimento do tumor.
Quando os tumores são mais ácidos, eles podem invadir e se espalhar-se por todo o corpo mais facilmente. A angiogênese que é o processo pelo qual os tumores geram novos vasos sanguíneos para facilitar a propagação do câncer, também aumenta num ambiente ácido, tal como a capacidade do tumor para ser resistente a medicamentos contra o câncer.
Quando os cientistas pré trataram células tumorais com ácido antes de injetá -las em animais, as metástases ocorreram em uma taxa maior do que em animais injetados com células tumorais não tratadas com ácido.
Em outro estudo, os investigadores examinaram se as condições ligeiramente ácidas que influenciam o potencial invasivo de duas linhas de células de melanoma humano. Os cientistas descobriram que a cultura de qualquer linha celular em pH medianamente ácido (6,8) aumentou dramaticamente tanto a migração quanto a invasão. As células cultivadas em pH ácido também foram mais agressivas do que as células controle.
O ácido láctico extracelular incentiva ainda mais a propagação do câncer através da supressão da atividade de eliminação do tumor de células imunológicas importantes, tais como os linfócitos T citotóxicos e das células natural killers.

Ao mesmo tempo que um ambiente ácido acelerou a taxa de câncer a se espalhar pelo corpo, a existência de um ambiente mais alcalino tem inibido a propagação do câncer. Em ratos com câncer de mama experimental que foram dadas oralmente bicarbonato de sódio, a taxa de crescimento dos tumores primários não foi afetada, mas o pH de tumores aumentou e a formação de metástases espontâneas diminuíram.
O bicarbonato de sódio aumentou de forma significativa o pH extracelular, mas não o pH intracelular de tumores. Ele também reduziu a taxa de envolvimento de gânglios linfáticos, apesar de não afetar os níveis de células tumorais circulantes. Quando injetado em baços dos animais, impediu a metástase do câncer de mama para o fígado.
Quando o bicarbonato de sódio foi injetado em animais modelos de outros tipos de câncer, tiveram resultados mistos. Ele parou a formação de metástases de câncer de próstata, mas não de uma linha de células de melanoma de rápido crescimento.

Embora haja uma grande quantidade de estudos em cultura de células e em animais, os pesquisadores não têm realizado muitos estudos com humanos, olhando como suplementação de bicarbonato de sódio afeta as células cancerígenas. Os estudos que foram feitos observaram o alívio da dor em pacientes com câncer.
Em um desses estudos, os pesquisadores trataram 26 pacientes com câncer terminal e que já não tinha a opção de tratamento convencional; com uma infusão intravenosa de dimetil sulfóxido (DMSO) e uma solução de bicarbonato de sódio. Os pacientes estavam sentindo muita dor devido tanto a progressão da doença e complicações da quimioterapia e radiação. Os autores do estudo constataram que a combinação de DMSO e de bicarbonato de sódio pode ser um tratamento viável, eficaz e seguro para a dor em pacientes com câncer. O tratamento com DMSO / Bicarbonato de sódio levou a melhor qualidade de vida para pacientes com câncer terminal não tratável.



Como a Acidez causa o Câncer?

Os cientistas propuseram uma série de teorias a respeito de como um ambiente ácido no seu corpo pode causar câncer. Uma teoria tem a ver com a maneira como a acidez influência os níveis de cortisol.
Quando os níveis de bicarbonato no corpo estão baixos, os níveis de cortisol aumentam. A alta acidez ativa o córtex pituitária-adrenal a liberar cortisol. Pesquisadores têm observado esse aumento de cortisol após adultos saudáveis consumirem uma refeição que aumente os níveis de acidez, ou uma refeição rica em proteínas. O cortisol aumentou significativamente no sangue e na saliva dentro de horas após a refeição rica em proteínas, e os níveis de cortisol foram dependentes do teor de proteína das refeições.
O cortisol pode estimular o crescimento do tumor e níveis elevados de cortisol estão relacionados à resistência à insulina, que por sua vez pode aumentar o seu risco de desenvolver câncer colorretal, de pâncreas, do endométrio, de rim e de mama.

Outra forma em que a acidez pode promover o câncer está relacionada com o fator de crescimento tipo insulina (IGF - 1). A dieta ocidental carregada com proteína eleva os níveis de IGF - 1. E quando o IGF-1 liga-se com os receptores de insulina o que impede as células de câncer de morrer e aumenta sua proliferação. Vários estudos têm relacionado IGF-1 com diferentes formas de câncer, incluindo próstata, colorretal e mama.
Uma dieta que promove a acidez também reduz os níveis de um hormônio que regula a fome conhecida como adiponectina, enquanto que a dieta mediterrânea, conhecida por ser farta no consumo de vegetais e frutas e valores baixos ou moderados no consumo de carne está associada com altos níveis de adiponectina. Os pesquisadores relacionam baixos níveis de adiponectina no soro a um maior risco de desenvolver o câncer. Pacientes com câncer de mama e câncer gástrico têm baixos níveis de adiponectina no soro. Por outro lado, os níveis de adiponectina mais elevadas podem proteger contra o câncer e retardaram o crescimento do tumor em um estudo feito em animais.
Finalmente, uma dieta ocidental pode produzir ácido lático em suas células, o que pode levar ao estresse oxidativo. Quando o DNA é danificado pelo stress oxidativo, que está associado com muitos tipos de câncer , incluindo o câncer de fígado, de mama e de próstata.

A Acidez Aumenta os Riscos de Osteoporose:


Os pesquisadores relacionam a dieta ocidental à osteoporose. No extremo oposto do espectro, a administração de um tipo alcalino de dieta em seres humanos resulta na melhora da saúde óssea.
Os pesquisadores estimam que a quantidade de cálcio perdida na urina após a ingestão de uma dieta moderna ao longo do tempo pode ser tão alta quanto praticamente 480 gramas no decorrer de 20 anos, ou quase a metade da massa óssea de cálcio.
No entanto , as perdas urinárias de cálcio nem sempre correspondem diretamente à osteoporose.
Num estudo, os investigadores neutralizaram a dieta de nove indivíduos saudáveis, dando-lhes de bicarbonato de sódio e bicarbonato de potássio. A neutralização por sete dias fez com que os indivíduos retessem mais cálcio. Eles também mostraram uma melhora nos marcadores de saúde óssea e diminuição dos níveis de cortisol .
Os investigadores também demonstraram que a neutralização de produção de ácido em mulheres na pós-menopausa resultou na retenção de cálcio e fosfato, redução nos marcadores de reabsorção óssea (o processo pelo qual as células ósseas conhecidas como osteoclastos quebrar ossos) e o aumento de um marcador da formação óssea chamado osteocalcina.


Construindo Músculos:


À medida que nos envelhecemos, sofremos um declínio na massa muscular. Isso nos coloca em risco de quedas e fraturas. A pesquisa está começando a descobrir que colocar o seu corpo em um estado alcalino pode reduzir este declínio da massa muscular. Um estudo de três anos descobriu que uma dieta alcalina rica em potássio, incluindo porções de frutas e legumes, resultou em uma massa muscular preservada em homens e mulheres mais velhos.
Há mais evidências de que um estado ácido tenha relação com a diminuição da massa muscular. Condições como insuficiência renal crônica que resulta em acidose metabólica crônica acelera a destruição do músculo esquelético.
Tornando o organismo mais alcalino pode-se preservar a massa muscular em condições em que a perda muscular é comum, como cetose diabética, trauma, sepse, doença pulmonar obstrutiva crônica e insuficiência renal. Além disso, suplementando pacientes mais jovens com bicarbonato de sódio antes do exercício exaustivo resultou em significativamente menos acidose no sangue do que naqueles que não foram suplementados com bicarbonato de sódio.


Acidez, Glicose Sanguínea e Saúde Cardíaca:

Os pesquisadores acerditam que anormalidades na regulação do pH intracelular pode ser uma das forças motrizes por trás do desenvolvimento de diabetes tipo 2 e de doenças associadas como a cardiomiopatia e a hipertensão que os pacientes com diabetes sofrem frequentemente.
A acidez também pode afetar a forma como funcionam os vasos sanguíneos. Em artérias de grande calibre, a acidose intracelular está associada com a dilatação dos vasos sanguíneos, enquanto que em pequenas artérias, leva a um estreitamento dos vasos sanguíneos.


Eliminando a Dor nas Costas:


Um estudo descobriu que a dor lombar crônica melhorou em 76 de 82 pacientes após a suplementação com minerais alcalinos. Escores médios de dor diminuíram significativamente em 49 por cento (41-21 pontos) após a suplementação de quatro semanas. Com a suplementação, houve um ligeiro mas significativo, aumento no pH do sangue e magnésio intracelular.
De acordo com os pesquisadores, "Os resultados mostram que o equilíbrio ácido/base perturbado pode contribuir para os sintomas de dor lombar. A adição simples e segura de uma preparação multi mineral alcalina foi capaz de reduzir os sintomas de dor nestes pacientes com dor lombar crônica. "


Como Manter o pH Alcalino:


O primeiro passo para tornar o seu corpo mais alcalino não é eliminar ou diminuir drasticamente a ingestão de proteínas. Nós precisamos de proteínas para prevenir a osteoporose e a perda de massa muscular esquelética conhecida como sarcopenia. Comer um pouco menos proteína é bom, mas não exagere.
Você pode suplementar com whey protein, devido esta proteína possuir bem menos acidez do que as proteínas da carne, peixe e frango.

Exemplo: O whey possui um valor de -1,6 na Tabela Pral, mostrando ser um alimento mais alcalino do que ácido, já o valor da carne é de 7,8 e do frango de 8,7; por curiosidade o valor do espinafre é -14,0 e o da banana é -5,5.
Esteja certo de ter várias porções de saladas e frutas (principalmente saladas) em cada refeição. Diminuir a ingestão de sal; como o cloreto de sódio pode provocar acidose metabólica de uma forma dependente da dose. Evitar álcool, refrigerantes, cafeína e todos os alimentos processados é mais um passo importante e beber muita água purificada.

Outra opção ? Suplementar com magnésio , que tem um efeito de alcalinizante . Procure ingerir 500 mg por dia em doses divididas. Tomar muito magnésio ao mesmo tempo pode causar diarréia. Escolhendo carbonato de cálcio em relação ao citrato de cálcio também é um passo importante.
Você também pode tentar a suplementação com bicarbonato. O bicarbonato de potássio pode ser uma opção melhor do que o bicarbonato de sódio, especialmente no que diz respeito à proteção da saúde óssea, como observado anteriormente neste artigo.
Para o câncer , os médicos naturopatas tiveram sucesso com altas doses de bicarbonato de sódio (31,75 gramas por dia) ou citrato trissódico (32,5 gramas por dia) , basta ter em mente que esta é uma fonte de sódio para aqueles pacientes em dieta. É importante observar que altas doses podem causar náuseas e diarréia, especialmente se administrada de uma só vez, você pode colocá-lo em sua água potável para beber gradualmente ao longo do dia . Isto deve ser feito sob orientação de um médico.


Alcalinidade para uma Ótima Saúde:

Mais e mais pesquisas estão sugerindo que nossos corpos são mais saudáveis quando estão em um estado alcalino. Dar pequenos passos para tornar seu corpo mais alcalino pode trazer grandes recompensas.


Nota do Nutricionista:

Este artigo nos mostra mais um caminho para otimização da saúde.
As pesquisas mostram a importância do equilíbrio ácido/base para a prevenção e tratamento de doenças e para uma melhor qualidade de vida.
É muito importante nos mantermos atentos na ingestão de saladas e frutas para garantirmos um pH equilibrado e não ácido, que é muito comum nas dietas modernas.

sexta-feira, 20 de dezembro de 2013

A Niacina (Vitamina B3) é Superior a Estatina no Controle do Colesterol


A Niacina (Vitamina B3) é Superior a Estatina no Controle do Colesterol.


Artigo editado por Andrew W. Saul.

Traduzido pelo Nutricionista Reinaldo José Ferreira CRN3 – 6141
reinaldonutri@gmail.com
www.suplementacaoesaude.blogspot.com.br


Estatina para todos? Se a mídia for levada a sério, e se a indústria farmacêutica tem o seu caminho, a resposta é "apostar". A Academia Americana de Pediatria afirma que crianças tão jovens quanto oito anos de idade podem tomar estatinas. Especificamente: "No grupo em estudo, as estatinas demonstraram reduzir o colesterol LDL em crianças e adolescentes com acentuada elevação do colesterol LDL ... quando usado por 8 semanas a 2 anos em crianças de 8 a 18 anos.
http://pediatrics.aappublications.org/content/128/Supplement_5/S213.full

Estranhamente, Academia Americana de Estudos em Pediatria recebe fundos da Merck & Co., Pfizer e Sanofi-Aventis, bem como da Procter and Gamble, Nestlé e outras grandes corporações.
http://www.aap.org/en-us/about-the-aap/corporate-relationships/Pages/Friends-of-Children-Fund-President%27s-Circle.aspx

As Estatinas podem produzir efeitos colaterais graves em adultos. Este risco é ainda mais preocupante para os corpos ainda em desenvolvimento das crianças. Efeitos colaterais das estatinas podem incluir danos ao fígado; CPK elevada (creatina quinase) e / ou dores musculares, dores e sensibilidade ou fraqueza muscular (mialgia); sonolência; miosite (inflamação dos músculos); rara mas potencialmente fatal, insuficiência renal e rabdomiólise (inflamação severa do músculo e ruptura muscular), perda de memória, confusão mental, alterações de personalidade ou irritabilidade; dores de cabeça, dificuldade para dormir, ansiedade, depressão, dor torácica, glicose elevada no sangue e diabetes tipo 2, regurgitação ácida, boca seca, problemas digestivos, incluindo inchaço , gases, diarréia ou prisão de ventre, náuseas e / ou vômitos, ou cólicas abdominais e dor, erupção cutânea, dores nas pernas, insônia, irritação nos olhos, tremores, tonturas, e muito mais.

Bela lista!! Bem, esta é a América, e você tem o direito de ficar doente. Evidentemente, você também tem o direito de ser continuamente bombardeados com apelos para tomar estatinas, e dá-los a seus filhos também. Estatinas para segunda série? Claro! Eles comem batatas fritas!! A mídia, comerciais de televisão, as escolas médicas, e principalmente a indústria farmacêutica, todos querem que você e sua família para a ser bom, pessoas sem censo crítico, os consumidores diários de medicina farmacêutica.


Entretanto, você tem o direito de rejeitar as drogas, e você tem boas alternativas baseadas na nutrição. Aqui temos pesquisadores e médicos que dizem não as estatinas, e suas devidas razões:

W. Todd Penberthy, PhD (Research Professor, University of Central Florida):

"A niacina aumenta o bom colesterol (HDL) mais do que qualquer droga farmacêutica conhecida e, simultaneamente, reduz o colesterol total, triglicérides, e a forma mais patogênica do colesterol (VLDL), que aumenta a formação de placas no interior das artérias. Bons médicos irão prescrever niacina para redução do risco de doença cardiovascular e fornecer uma descrição de como usá-lo. A niacina é frequentemente o controle padrão-ouro utilizado para experimentos de pesquisa básica, utilizando modelos animais de aterosclerose. Nos ensaios clínicos, quando a niacina tem sido comparada a outros medicamentos comercializados, levou a efeitos mais indesejáveis para os negócios, mas a maioria dos efeitos terapeuticamente benéficos para os afortunados pacientes.
As doenças cardiovasculares (DCV) mata mais pessoas do que qualquer outra doença. Assim, há uma enorme movimentação na indústria farmacêutica na fabricação de drogas.

A Merck e a Schering Plough convenceram os médicos a gastar 21 bilhões de dólares ao longo de sete anos vendendo Zetia (ezetimiba). Em última análise, no entanto, os ensaios clínicos revelaram que a Zetia realmente aumenta eventos cardiovasculares, tornando as paredes arteriais mais espessas. A Niacina regular funciona tão bem como prescrição quanto a niacina de liberação mais lenta, e custa trinta vezes menos. (Produtos de niacina de liberação prolongada custam cerca de quinze dólares por dia para obter 3.000 mg, enquanto que a niacina simples de libertação imediata custa cerca de cinquenta centavos. A Niacina de liberação prolongada provoca um flushing com menor intensidade inicialmente, mas com o uso regular, os resultados da niacina comum resultam em um flushing (vermelhidão e formigamento) bem reduzido, enquanto todos os benefícios ainda são mantidas. Os benefícios da niacina para o tratamento de doenças cardiovasculares são inegáveis.

É raro que alguém aborde a questão mais importante: "O que funciona melhor?" É uma pergunta tão simples. Em vez disso, muita investigação prossegue hoje principalmente para o lucro. Temos assistido a transformação de motivos médicos a partir de um "motivo e cuidados com saúde" para um "aumento pelo motivo de renda." A máquina do lucro acabou por consumir o espírito ou o foco de muitos médicos bem intencionados.
(Citação resumida com permissão do prefácio Hoffer A, Saul AW and Foster HD. Niacin: The Real Story. Basic Health Pub, 2011.)

Robert G. Smith, PhD (Research Associate Professor, University of
Pennsylvania):

"Embora as estatinas possam baixar o colesterol, eles reduzem o risco de doença cardíaca, principalmente através dos seus efeitos anti-inflamatórios e anticoagulantes. No entanto, as estatinas têm muitos efeitos colaterais, alguns muito sérios, e para a maioria das pessoas não reduzem significativamente o risco de doença cardíaca. A niacina é um modo muito mais seguro para baixar o colesterol. Um tratamento muito mais eficaz para prevenir as doenças cardíacas é a vitamina C tomada de acordo com a tolerância intestinal entre (3,000-10,000 mg / dia em doses divididas), vitamina E (400-1600 UI / dia), niacina (800-2,000 mg / dia em doses divididas ), magnésio (quelato, citrato, malato, cloreto, 300-600 mg / dia, doses divididas), juntamente com uma excelente dieta que inclui porções generosas de vegetais de folhas verdes e apenas quantidades moderadas de carne.”

Thomas E. Levy, MD, JD (Cardiologist):

“Quanto mais baixo os níveis de colesterol, maiores os riscos de câncer, como o colesterol é um agente protetor contra as toxinas. Esforços para diminuir as chances de morbidade e mortalidade de uma doença grave (doença arterial coronariana) não devem aumentar substancialmente as chances de morbidade e mortalidade de outra doença (câncer).”


Abram Hoffer, MD, PhD (in Niacin: The Real Story):

"A niacina é eficaz na redução da taxa de morte de doentes com cancêr, protegendo as células e os tecidos dos danos por moléculas tóxicas ou de radicais livres. No corpo, a niacina é convertida para dinucleotídeo adenina nicotinamida (NAD), utilizados pelo corpo para catalisar a formação de ADP-ribose.
"Quando as longas cadeias de DNA são danificadas, poli (ADPribose) ajuda a reparar, desenrolando a proteína danificada. Poli (ADPribose) também aumenta a actividade da ADN-ligase. Essa enzima corta os filamentos danificados do DNA e aumenta a capacidade da célula para se reparar após a exposição a agentes cancerígenos.”

Carolyn Dean, MD, ND (inThe Magnesium Miracle):

"O mineral magnésio é a forma natural que o corpo desenvolveu para controlar o colesterol quando se atinge um determinado nível, ao passo que as estatinas são usadas para destruir todo o processo. Se magnésio suficiente está presente no corpo, o colesterol estará limitado as suas necessárias funções - a produção de hormônios e para a manutenção das membranas - e não será produzido em excesso ".

Jorge Miranda, PharmD (Puerto Rico):

"A Estatina é meu exemplo favorito de droga nauseante. Uma fixação no colesterol não aborda a importância de corrigir a excessiva oxidação do LDL, e deixa de reconhecer a importância de corrigir muitos outros fatores de risco que contribuem para DCV como a homocisteína, LPa, e PCR. É importante reconhecer que a razão pela qual nós formamos o colesterol é porque este é necessário para formar as membranas, lente dos olhos, hormônios e muitas outras moléculas, incluindo CoQ10. Diminuir o colesterol diminui CoQ10, o que significa menos energia para uma infinidade de funções. O resultado pode ser doenças neurológicas e até mesmo câncer. "

William B. Grant, PhD SUNARC:

"O uso de estatinas reduz as concentrações de co-Q10 e leva a miopatia (fraqueza muscular), que pode levar à insuficiência cardíaca. Aqueles que tomam estatinas devem estar cientes deste problema e considerar a suplementação com a co-Q10."



Damien Downing, MBBS, MSB (United Kingdom):

"Basta perguntar a qualquer homem na rua se uma redução de 0,16% no risco de um evento coronariano é" significativo "para ele, e se isso justifica o uso das estatinas. Desagradáveis efeitos colaterais musculares ocorrem em até 10% dos usuários de estatina, que pode subir para 25% se a pessoa realiza exercícios, o que é inútil para qualquer pessoa que procura melhorar a sua saúde cardiovascular. Mas porque o limite primário para aceitação em "medicina baseada em evidências" é a significância estatística, estamos a aceitar que o benefício das estatinas foi comprovado. Os dados sobre as vendas mundiais de estatinas correm atualmente em cerca de $ 30 bilhões de dólares por ano. "
Talvez isso ajude a explicar a blitz massiva da mídia favorecendo as estatinas. Mas as drogas não são a resposta, a menos que você seja uma empresa de drogas. "



Nota do Nutricionista:

Artigo surpreendente !!
As pessoas desconhecem essas verdades e todos os benefícios das vitaminas e minerais como um todo.
Essa citação de vários profissionais nos ajuda a repensar nossas ações e nos direcionar a novos caminhos.

sábado, 14 de dezembro de 2013

Transglucosidase – A Nova Face do Emagrecimento e do Controle do Diabetes.


Transglucosidase – A Nova Face do Emagrecimento e do Controle do Diabetes.


- Brand-Miller JC, Stockmann K, Atkinson F, Petocz P, Denyer G. Glycemic index, postprandial glycemia, and the shape of the curve in healthy subjects: analysis of a database of more than 1,000 foods. Am J Clin Nutr. 2009 Jan;89(1):97-105.

- Sasaki M, Joh T, Koikeda S, et al. A novel strategy in production of oligosaccharides in digestive tract: prevention of postprandial hyperglycemia and hyperinsulinemia. J Clin Biochem Nutr.2007 Nov;41(3):191-6.

- Ao Z, Simsek S, Zhang G, Venkatachalam M, Reuhs BL, Hamaker BR. Starch with a slow digestion property produced by altering its chain length, branch density, and crystalline structure. J Agric Food Chem. 2007 May 30;55(11):4540-7.

-Cerf ME. Beta cell dynamics: beta cell replenishment, beta cell compensation and diabetes. Endocrine.2013 Mar 13.

-Reaven G. Insulin resistance and coronary heart disease in nondiabetic individuals. Arterioscler Thromb Vasc Biol. 2012 Aug;32(8):1754-9.

-Molinaro F, Paschetta E, Cassader M, Gambino R, Musso G. Probiotics, prebiotics, energy balance, and obesity: mechanistic insights and therapeutic implications. Gastroenterol Clin North Am. 2012 Dec;41(4):843-54.

- A high-fiber diet may help you live longer. Mayo Clin Health Lett.2012 Jun;30(6):4.

-Holt SH, Miller JC, Petocz P. An insulin index of foods: the insulin demand generated by 1000-kJ portions of common foods. Am J Clin Nutr.1997 Nov;66(5):1264-76.

-Breen DM, Giacca A. Effects of insulin on the vasculature. Curr Vasc Pharmacol. 2011 May;9(3):321-32.

-Jalving M, Gietema JA, Lefrandt JD, et al. Metformin: taking away the candy for cancer? Eur J Cancer. 2010 Sep;46
(13):2369-80.

-Sasaki M, Imaeda K, Okayama N, et al. Effects of transglucosidase on diabetes, cardiovascular risk factors and hepatic biomarkers in patients with type 2 diabetes: a 12-week, randomized, double-blind, placebo-controlled trial. Diabetes Obes Metab.2012 Apr;14(4):379-82.

Artigo editado por Scott Rackinow

Traduzido pelo Nutricionista Reinaldo José Ferreira CRN3 – 6141
reinaldonutri@gmail.com
www.suplementacaoesaude.blogspot.com.br

Cerca de 35 anos atrás, o governo federal revisou suas diretrizes dietéticas para aconselhar os americanos a aumentar em 60% a quantidade de carboidratos a serem consumidos.
O objetivo era conseguir um estilo de vida saudável.
As últimas orientações do Instituto de Medicina; recomenda uma ingestão diária de carboidratos em até 65% do total de alimentos consumidos diariamente.
O resultado tem sido uma catastrófica epidemia de obesidade com aumento do risco de vida, diabetes tipo II, síndrome metabólica e várias outras doenças.
A razão é simples. Todo esse amido dos alimentos se transforma em glicose e provoca perigosos picos glicêmicos no sangue após uma refeição.
Felizmente, os pesquisadores descobriram uma enzima de dupla ação conhecida como Transglucosidase, que bloqueia a conversão de amido em glicose e os transforma em um tipo de fibra benéfico.

Enquanto você não pode eliminar todo o amido de sua dieta, você pode neutralizar os efeitos negativos sobre seu corpo. A transglucosidase representa um novo mecanismo para a proteção contra os efeitos nocivos do amido dietético .
Impressionantes estudos de laboratório demonstram que, quando a transglucosidase entra em contato com alimentos ricos em amido e as enzimas naturais do trato digestivo , há uma redução de 31 % nos amidos rapidamente digeridos (do tipo que ocasiona um pico de glicose no sangue após uma refeição) e ainda, um aumento de 11% no amido lentamente digerido (que é convertido em glicose mais lentamente, parece até um milagre !!).
Somando os benefícios; isto significa que aproximadamente 40 % a menos do amido que você ingerir se transforme rapidamente em glicose e seja absorvido pela corrente sanguínea .
Estudos clínicos em humanos confirmaram a capacidade da transglucosidase em reduzir a glicose no sangue e os níveis de insulina.
Para o típico adulto idoso, este fato oferece uma maneira poderosa para ajudar a evitar a cruzar a linha entre o pré-diabetes ou o diabetes, na preservação da função pancreática, protegendo contra os perigosos picos de glicose e insulina e, finalmente, levando a uma vida mais longa e saudável.


Perigos Ocultos de uma Dieta rica em Amido:

Se você é diabético ou até mesmo já experimentou um nível elevado de glicose no sangue, você provavelmente sabe que o açúcar é uma das piores coisas que você pode colocar em seu corpo. O que você talvez não saiba é que uma das maiores fontes de açúcar na sua dieta é o amido.
Porque mesmo os grãos integrais são convertidos em glicose durante a digestão, cada grama de amido que você come pode representar um grama de glicose livre no sangue.
Isso significa que as escolhas alimentares mesmo aparentemente saudáveis (pão integral, arroz integral e massas de trigo integral, por exemplo) pode conduzir a um aumento do açúcar no sangue e insulina e, finalmente, uma maior ameaça para a sua saúde, especialmente se você já sofre de resistência à insulina (pré-diabetes) ou diabetes.
Alimentos ricos em amido são ricos em precursores de glicose, como a amilopectina, que é a principal forma de amido rapidamente digerível no corpo humano.

Como o amido dos vários alimentos é convertido em glicose em diferentes taxas, o que resulta em níveis variáveis de elevação da glicose sanguínea, na resposta à insulina e saciedade (a sensação de plenitude que você sente depois de comer uma porção de cada alimento).
Independentemente da forma de amido que você ingira, no entanto, seja pão integral, arroz integral ou biscoitos e bolo, a verdade é que todo o amido digerível é transformado em glicose que passa através do trato digestivo. E isso resulta em elevações nos níveis de glicose e em níveis mais altos e prejudiciais de insulina, seja você diabético ou não.
Quando a glicose liga-se às proteínas do seu corpo, produzem produtos de glicação avançada, que são "revestidas de açúcar", assim as proteínas se tornam rígidas, inflexíveis e disfuncionais. Produtos finais de glicação avançada provocam inflamação e
oxidação, levando a enormes quantidades de dano tecidual subjacente doença crônica e envelhecimento.


O Impacto do Excesso de Insulina:

Em resposta ao excesso de açúcar no sangue , seu corpo precisa secretar grandes quantidades de insulina. A insulina é um hormônio que é essencial para o metabolismo dos carboidratos e das gorduras. Mas quando é secretada em excesso , a insulina se torna o " hormônio da morte ".
Os níveis de insulina cronicamente elevados podem ocasionar um maior risco em morrer de doenças diversas como o câncer, a obesidade, ataques cardíacos, acidentes vasculares cerebrais e pode finalmente, levar a uma total incapacidade do pâncreas em controlar a glicose sanguínea.
Mesmo as pessoas com níveis "normais" de glicose no sangue em jejum, estão em um risco maior se os seus níveis de glicose pós- refeição sobem muito alto e muito rapidamente.
Considerando esta observação , mesmo se você não é diabético, você precisa fazer tudo o que puder para manter o açúcar no sangue e os níveis de insulina sob controle.
Muitos americanos estão vivendo em uma "zona cinzenta", muito perigosa para sua saúde. Mesmo que eles pensem que estão seguros de danos , os seus níveis de glicose e insulina são precariamente anormais. Você pode estar vivendo à beira de um grande desastre para a saúde e nem sequer saber disso.


A Medicina Convencional não Enxerga as Causas:

Os médicos convencionais não estão ajudando a situação porque normalmente esperam muito tempo antes de responder a um paciente em estado "pré-diabético" (tecnicamente chamado de tolerância à glicose diminuída ou resistência à insulina). E quando eles decidem pelo tratamento, muitas vezes é com medicamentos caros que não abordam integralmente os problemas subjacentes. No final, a prevenção faz mais sentido.
Felizmente, os pesquisadores descobriram uma enzima única que pode ajudar a impedir que você passe do pré-diabetes ao diabetes por mitigar os efeitos nocivos do amido dietético. Esta enzima transformadora é chamada de transglucosidase.
Ajudado pelas próprias enzimas que digerem o amido em nosso corpo; literalmente a transglucosidase reorganiza a estrutura molecular do amido.

Em vez de permitir que o amido seja convertido em açúcares livres e aumente a glicose no sangue, desencadeando uma liberação excessiva de insulina, a transglucosidase converte o amido na benéfica e não digerível fibra prebiótica e isso tudo dentro do nosso próprio trato digestivo.
Com a ajuda de transglucosidase, você pode alcançar vários objetivos no sentido de preservação da vida com um único suplemento:
1. Você vai converter menos amido em glicose, garantindo uma carga de glicose menor, especialmente no crítico período pós refeição.
2. Você vai liberar menos insulina, reduzindo assim os riscos do excesso de insulina para a saúde.
3. Você estará consumindo mais fibra prebiótica, reduzindo ainda mais o risco de diabetes e melhorando bastante sua saúde intestinal.


Transglucosidase e Redução do Pico Glicêmico:

O que você precisa saber:

- A glicose elevada no sangue resultando em níveis elevados de insulina, representam uma grave ameaça à saúde dos americanos; mesmo para pessoas não diabéticas .
- A maior fonte de glicose na dieta não é o açúcar ou os adoçantes, e sim os amidos , que são constituídos por centenas de moléculas individuais de glicose que se quebram (sofrem hidrólise) e são absorvidos durante a digestão .
- Retardar a digestão do amido é uma maneira importante de reduzir os picos perigosos de glicose no sangue após uma refeição, e além disso, ainda aumentar a ingestão de fibra alimentar prebiótica.
- A Transglucosidase oferece uma abordagem revolucionária para a controle da glicose elevada no sangue e dos picos de insulina através da conversão de amido em fibra prébiótica diretamente no trato intestinal.
- Estudos mostram que a transglucosidase pode interromper a progressão do pré-diabetes para o diabetes, ainda limitando o dano tecidual e diminuindo os fatores de risco cardiovasculares e de câncer entre os diabéticos .
- Se você está preocupado com os riscos da glicose elevada no sangue, você deve tomar um suplemento de transglucosidase antes de cada refeição que contenha amido.


Neutralizando o Amido Dietético:

Como afirmado anteriormente, independentemente da forma de amido que você consuma, todo amido digerível é transformado em glicose, para então passar através do trato digestivo.
E isso resulta em elevações de glicose no sangue e um aumento nos níveis de insulina, levando à temida zona de perigo. O período de maior risco são as duas horas imediatamente após uma refeição; estudos mostram que os picos de glicose e insulina no sangue no pós refeição, representam o maior fator de risco para a doença cardiovascular.
Felizmente, a transglucosidase pode ajudar a eliminar os perigos deste período pós refeição.
Então, o que acontecerá com o amido que você acabou de comer? Essa é a segunda parte da história da transglucosidase.
Além de bloquear a conversão de amido em glicose, a transglucosidase converte esse açúcar prejudicial em uma fibra prebiótica benéfica.

Sabemos que quanto mais fibra que você consome, melhor será a sua saúde. Dietas ricas em fibras podem ajudá-lo a viver mais tempo por vários razões.
A fibra prebiótica alimenta as bactérias benéficas que vivem no seu cólon, essas bactérias por sua vez, convertem outros tipos de fibras em moléculas saudáveis que reduzem os níveis de inflamação em seu corpo, diminuem o ganho de peso excessivo, reduzem o colesterol no sangue, diminuem o risco de câncer, e ainda ajudam a normalizar a glicemia e os níveis de insulina.
Mas apesar da recomendação da American Dietetic Association que os adultos saudáveis devem consumir 20 a 35 gramas / dia de
fibras alimentares, a maioria das pessoas não chegam nem perto desse nível de ingestão.
Quando você suplementa com a transglucosidase, no entanto, você é capaz de converter os amidos não saudáveis que liberam alto teor de glicose no sangue e possuem baixo teor de fibra em uma fibra prebiótica saudável, diretamente no seu próprio aparelho digestivo.


Estudos em humanos confirmam o benefício da transglucosidase em melhorar a saúde das bactérias benéficas que residem no
aparelho digestivo. Em um grupo de quarenta diabéticos tipo II recebendo transglucosidase durante 12 semanas, 67% tiveram melhora considerável na saúde e equilíbrio das colônias de bactérias analisadas em seus aparelhos digestivos, os pesquisadores acreditam que a modulação das bactérias intestinais pela
transglucosidase pode ser um dos principais mecanismos pelos quais a transglucosidase suporta o controle dos níveis de glicose e
promove a perda de peso em pacientes diabéticos tipo II.
Isso significa transglucosidase tem o potencial de mudar radicalmente a equação quando se trata dos perigos do amido em sua dieta. Dado o seu duplo mecanismo de ação bloqueando a liberação de glicose prejudicial a partir do amido ingerido e convertê-lo em um tipo de fibra benéfica, a transglucosidase tem o poder de ajudar a impedir a passagem pela linha entre o pré-diabetes (resistência à insulina) e o diabetes, preservando sua função pancreática, protegendo-o dos perigosos surtos de insulina e, em última instância aumentando sua expectativa de vida.

Como um grama de amido pode ser convertido por enzimas digestivas em um grama de glicose, alimentos que são ricos em amido também são ricos em glicose. O amido é liberado mais facilmente de alguns alimentos do que de outros, resultando em níveis diferente de glicose no sangue e perfis de insulina. Nesta tabela, diversos alimentos são comparadas com o pão branco, um alimento amiláceo que é rapidamente convertido em açúcar. O "score glicose" indica a quantidade de glicose que um alimento contém em relação ao pão branco, o "score insulina" indica a quantidade que um determinado alimento aumenta a insulina no sangue em relação ao pão branco, e o "score saciedade" indica como você se sente depois de comer porções idênticas de cada alimento, em comparação com o pão branco.







Reduza suas Probabilidades de Desenvolver o Diabetes:


A Transglucosidase foi estudada em todo o mundo, e é uma das únicas enzimas naturais conhecidas que podem impedir a
progressão do pré-diabetes para o diabetes.
Pessoas com pré-diabetes frequentemente têm níveis de glicose em jejum, perto dos limites superiores do "normal" (perto ou acima de 100 mg / dL) e também já perderam a capacidade de controlar os surtos de glicose e insulina pós-refeição. Os pré-diabéticos possuem um alto risco de progressão para o diabetes, mas mesmo se não o fizerem, estas elevações "suaves" da glicose no sangue ainda estão fortemente relacionadas com doenças como ataque cardíaco,
doença inflamatória do intestino, e câncer.
Em um estudo envolvendo pré-diabéticos, um grupo recebeu uma "dose baixa" de 450.000 unidades de transglucosidase, um grupo recebeu uma "dose alta" de 900.000 unidades de transglucosidase, e um terceiro grupo recebeu um placebo.

Os indivíduos tomaram os suplementos, juntamente com uma refeição teste de arroz branco (rico em amido) que é prontamente convertido em glicose.
Ao longo de três horas após a refeição controle, a glicose no sangue dos participantes subiu em níveis perigosos, como havia de ser esperado para pessoas com pré-diabetes. Mas as pessoas suplementadas com transglucosidase em qualquer dose tiveram níveis significativamente mais baixos de glicose no sangue durante o período de três horas, juntamente com uma tendência para os níveis mais baixos de insulina.
Não foram observados efeitos colaterais significativos.
Isto significa que se você é um pré-diabético, você pode limitar com segurança o impacto negativo de um refeição com amido e consegue diminuir a sua taxa de progressão para o diabetes.




Food Glucose score Insulin score Satiety score

White bread 100 100 100
(baseline)
Whole-grain bread 97 96 157
White rice 110 79 138
Brown rice 104 62 132
White pasta 46 40 119
Brown pasta 68 40 188
Potatoes 141 121 323
Baked beans 114 120 168
Crackers 118 87 127
Mars bars 79 122 70
Bananas 79 81 118
Cornflakes 76 75 118
Porridge 60 40 209
Apples 50 59 197


Reduza os Surtos de Glicose Induzidos pelo Amido:

Qualquer pessoa cujo a glicose no sangue não está sob controle ideal é exposta aos perigos de níveis cronicamente elevados de insulina. Isso porque seu corpo vai bombear insulina, enquanto os níveis de glicose no sangue estão acima do normal e pode resultar em um nível de insulina perigosamente elevado, no seu esforço para manter a glicose sanguínea em um nível normal; tornando-se um perigo real.
A insulina, é claro, é uma hormônio útil e necessário. É responsável pela condução de glicose do sangue para as células, onde é usado para produzir energia. Sem quantidades devidamente regulares de insulina, não poderíamos sobreviver.
Mas a insulina, como muitos hormônios, tem várias funções. O "lado negro" pouco conhecido da insulina é que é um fator de crescimento poderoso. E no corpo adulto saudável, existe uma utilidade limitada para os fatores de crescimento. A produção de fator de crescimento excessivo provoca a replicação celular em lugares onde não queremos isso. Fatores de crescimento de insulina e outros estão implicados, por exemplo, no cancêr, em que a reprodução celular desregulada produz factores de crescimento desequilibrados, ocasionando malefícios que podem levar ao óbito. Este desequilíbrio nos fatores de crescimento, incluindo a insulina, também estão implicados no espessamento e na pobre capacidade de resposta das células de músculo liso que revestem as paredes das artérias, contribuindo para a doença cardiovascular.

A produção excessiva de insulina é o resultado da resistência à insulina, que é uma outra maneira de dizer "pré-diabetes." Altos níveis de insulina estão associados com um aumento de 37% no risco de morte por câncer se você tem ou não diabetes. Os médicos estão finalmente aprendendo a prestar atenção aos níveis de insulina, bem como nos níveis de glicose no sangue, ao avaliar novos tratamentos e melhorando o aconselhando a seus pacientes. Eles estão começando a procurar terapias que aumentam a sensibilidade à insulina e diminuem os níveis de insulina.
A maioria dos medicamentos antidiabéticos visam apenas reduzir os níveis de glicose e não têm nenhum efeito sobre a insulina, outros se destinam em aumentar os níveis de insulina na tentativa de reduzir o açúcar no sangue. Mas a transglucosidase age nas duas pontas; normalizando a glicose sanguínea e consequentemente diminuindo os níveis de insulina.


Reduza os Impactos do Diabetes:

Um estudo clínico observou pacientes com diabetes tipo II, e os pesquisadores descobriram que os benefícios da transglucosidase são muito importantes para as pessoas com diabetes como também para os pré-diabéticos.
Diabéticos não só possuem elevados níveis de glicose e insulina no sangue mas também, temos a evidência detectável de avançados
produtos finais de glicação, sob a forma de hemoglobina A1c (HbA1c). Este teste de sangue é uma indicação dos níveis de glicose no sangue por um período de aproximadamente dois a três meses.

Os pacientes no estudo receberam doses diárias totais de 900 mil unidades de transglucosidase, 2,7 milhões de unidades de transglucosidase, ou um placebo. Ambas as doses produziram reduções respeitáveis na hemoglobina A1c, baixando-a em uma média de 0,18 e 0,21%, respectivamente (medidas normais para este teste não devem exceder 5,5%).
As concentrações de insulina dos pacientes diminuíram significativamente, bem como, de 2,79 e 3,59 mIU / mL, respectivamente. E enquanto a transglucosidase não substitui a metformina se a superprodução interna de glicose pelo fígado é o culpado por trás de glicemia elevada em jejum (> 85mg / dL) ou HbA1C elevado (> 5,5%), as suas reduções dramáticas de insulina são semelhantes aos observados com a metformina, que pode reduzir a insulina de jejum em cerca de 38% em obesos e pessoas com resistência à insulina.

Mas os benefícios de transglucosidase para diabéticos não param por aí . Os pacientes que tomam a transglucosidase também apresentam significativo aumento de uma citocina benéfica chamada adiponectina e reduções significativas nos triglicérides e pressão arterial diastólica.
Por outro lado , os doentes tratados com placebo experimentaram aumentos significativos no índice de massa corporal (uma medida do peso total para a altura) e também tiveram um aumento nos marcadores de lesão hepática induzida por gordura. Nenhum dos dois grupos de pacientes que tomaram a transglucosidase apresentaram tais mudanças.
Se você já é um diabético tipo II, a disponibilidade do uso dessa enzima é uma excelente notícia . Isso significa que a suplementação com transglucosidase não só ajuda a proteger contra as reações de glicação perigosas que ocorrem em seus tecidos (o que causará doenças no coração , rins, nervos e doenças dos olhos , com o tempo), mas também diminui os níveis de insulina em excesso (que aumentam o risco de câncer e doenças cardiovasculares) . Além disso, ela também pode ajudar a protegê-lo de um ganho de peso cada vez maior.
E todo esse benefício sem tomar um único medicamento .

Ao contrário de muitos outros nutrientes, as enzimas são dosadas de acordo com a sua unidade de atividade. Uma unidade enzimática é a quantidade de enzima necessária para converter um micromole (umol) de uma substância por minuto. Isto não deve ser confundido com a Unidade Internacional (UI), que é uma medida independentes de outras substâncias biologicamente ativas, tais como a vitamina D.
Devido a transglucosidase ser uma enzima, as dosagens são medidas em "unidades de atividade da enzima" não miligramas ou Unidades Internacionais (UI). Uma dose de 450.000 unidades é tipicamente a quantidade encontrada em uma cápsula.


Sumário:

Níveis de glicose e insulina cronicamente elevados, especialmente aqueles imediatamente após uma refeição, deve ser uma das principais preocupações de qualquer adulto, mesmo se você não tem história conhecida de glicose elevado no sangue. Os altosníveis de insulina e glicose no sangue são pelo menos tão perigosos quanto o colesterol elevado, quando se trata de um risco maior de doença cardiovascular.
Além disso, a glicose e insulina cronicamente elevado aumentam drasticamente as taxas de câncer. É por isso que é importante tomar todos as medidas possíveis para evitar que o amido na dieta se converta em níveis mortais de glicose.
Transglucosidase é um suplemento inovador e o primeiro nessa classe de enzimas. Seu duplo mecanismo de ação ajuda a gerenciar o excesso de glicose e insulina no sangue, bloqueando a liberação de glicose a partir do amido ... e ainda os transforma em fibras benéficas.
Esta é uma descoberta médica capaz de mitigar a crescente epidemia de diabetes e é uma nova ferramenta em nosso kit para gerenciar as condições metabólicas perigosas.
Se a sua glicemia de jejum estiver acima de 85 mg / dL (comum na maioria dos adultos), ou você tem outros indicadores do desequilíbrio de glicose, como a hemoglobina A1c elevada ou insulina de jejum elevada, você deve tomar a transglucosidase antes de suas duas refeições mais pesadas no dia (com maior quantidade de amido).
Ensaios clínicos em humanos estabeleceram seu valor em pessoas saudáveis, bem como indivíduos diabéticos. E isso se traduz em menores riscos para o câncer, problemas de visão e doenças cardíacas.

Estudos em Animais:

Diabetes é comum em cães, bem como pessoas. Felizmente, a transglucosidase pode ajudar a controlar os níveis de glicose em cães, bem como em seres humanos. Quando os pesquisadores estudaram no Japão, a transglucosidase em animais, eles descobriram que os resultados foram praticamente idênticos, com o que temos visto em estudos humanos.
Cães controle não diabéticos e saudáveis que receberam a transglucosidase experimentaram os níveis de glicose e insulina mais baixos após a refeição, quando comparados com aqueles que receberam somente a dieta controle. E o comum "pico" glicêmico no pós-refeição foi praticamente eliminado, permitindo que os cães mantivessem as concentrações normais de glicose de 85 a 95 mg / dL.


Nota do Nutricionista:
Infelizmente podemos dizer que os hábitos alimentares modernos nos fazem escravos da obesidade, diabetes e todas as doenças relacionadas.
Há alguns anos atrás postei um artigo relatando os benefícios da Irvingia e agora sobre esta incrível enzima chamada de Transglucosidade.
As duas com benefícios fantásticos para todos que sofrem com as doenças citadas acima.
Precisamos achar um caminho para tornar esses suplementos disponíveis no Brasil.




domingo, 24 de novembro de 2013

Whey Protein e Longevidade (Parte-2)

Whey Protein e Longevidade (Parte-2).


-Paddon-Jones D, Sheffield-Moore M, Katsanos CS, Zhang XJ, Wolfe RR. Differential stimulation of muscle protein synthesis in elderly humans following isocaloric ingestion of amino acids or whey protein. Exp Gerontol. 2006 Feb;41(2):215-9.

-Koopman R, Verdijk L, Manders RJ, et al. Co-ingestion of protein and leucine stimulates muscle protein synthesis rates to the same extent in young and elderly lean men. Am J Clin Nutr. 2006 Sep;84(3):623-32.

-Bounous G, Baruchel S, Falutz J, Gold P. Whey proteins as a food supplement in HIV-seropositive individuals. Clin Invest Med. 1993 Jun;16(3):204-9.

- Chatterton DE, Nguyen DN, Bering SB, Sangild PT. Anti-inflammatory mechanisms of bioactive milk proteins in the intestine of newborns. Int J Biochem Cell Biol. 2013 May 6.

- Parodi PW. A role for milk proteins and their peptides in cancer prevention. Curr Pharm Des. 2007;13(8):813-28.

- Ward PP, Paz E, Conneely OM. Multifunctional roles of lactoferrin: a critical overview. Cell Molecul Life Sci.2005;62,2540-8.

- Zhang X, Beynen AC. Lowering effect of dietary milk-whey protein v. casein on plasma and liver cholesterol concentrations in rats. Br J Nutr. 1993 Jul;70(1):139-46.

- Markus CR, Olivier B, de Haan EH. Whey protein rich in alpha-lactalbumin increases the ratio of plasma tryptophan to the sum of the other large neutral amino acids and improves cognitive performance in stress-vulnerable subjects. Am J Clin Nutr. 2002 Jun;75(6):1051-6.

- Bounous G, Gervais F, Amer V, Batist G, Gold P. The influence of dietary whey protein on tissue glutathione and the diseases of aging. Clin Invest Med. 1989;12:343-9.

- Cross M L, Gill HS. Immunomodulatory properties of milk. Brit J Nutr. 2000;84:S81-9.

-Bounous G, Kongshavn PA. Differential effect of dietary protein type on the B-cell and T-cell immune responses in mice. J Nutr. 1985;115(11):1403-8.

-Bounous G, Baruchel S, Falutz J, Gold P. Whey proteins as a food supplement in HIV-seropositive individuals. Clin Invest Med. 1993 Jun;16(3):204-9.


Artigo editado por Will Brink

Traduzido pelo Nutricionista Reinaldo José Ferreira CRN3 – 6141
reinaldonutri@gmail.com
www.suplementacaoesaude.blogspot.com.br




A Proteína do Soro Bloqueia a Perda de Massa Muscular relacionada ao Avanço da Idade:

Aproximadamente 30% das pessoas com 60 anos ou mais possuem sarcopenia, a perda muscular relacionada ao avanço da idade que aumenta o risco de quedas e a incapacidade de realizar terefas simples. Pelo fato de poupar e aumentar a síntese de tecido muscular, a proteína do soro de leite bloqueia este processo. (Imitando os efeitos inibidores da sarcopenia, ocasionados pela restrição calórica).
O aminoácido de cadeia ramificada metabolicamente mais ativo no soro de leite é a leucina, que promove a síntese muscular, ativando a via de sinalização no músculo que modula e direciona o anabolismo, ou ganho de tecido muscular.
Com o envelhecimento os músculos se tornam resistentes ao estímulo da leucina, mas ingerindo a leucina com as refeições (ou a proteína do soro ou whey), pode superar esse déficit ocasionado pelo envelhecimento, estimulando a síntese de tecido muscular.
A caquexia é uma síndrome clínica debilitante caracterizada por uma perda progressiva de peso, músculo e força. O aumento da ingestão calórica nõa ajuda. A caquexia pode ocorrer devido ao câncer, a AIDS, a artrite reumatóide, e várias doenças crônicas ou doenças malignas, sendo uma das principais causas de morte.

Como a proteína do soro de leite possui o maior valor biológico; os valores de absorção, utilização e retenção mais elevados do que qualquer outra fonte de proteínas, ela atenua a perda de massa muscular, devido ao aumento de massa magra.
Um estudo envolvendo homens HIV-positivos suplementados com whey, mostraram aumentos dramáticos na glutationa, com a maioria dos indivíduos conseguindo atingir seu peso corporal ideal.
Indivíduos idosos também podem se beneficiar da capacidade do soro de leite em promover a formação óssea e suprimir a reabsorção óssea.



Whey – Vários Benefícios Anti-Envelhecimento:


Esta qualidade mais elevada de proteína proporciona o amplo espectro de efeitos anti-envelhecimento fornecidos pela restrição calórica (CR), sem a necessidade de uma forte restrição de alimentos a longo prazo.

Veja a variedade de benefícios proporcionados pelo whey:

-Biogênese mitocondrial.
-Crescimento ósseo.
-Suporte Muscular.
-Efeito hipoglicemiante.
-Defesa contra o Câncer.
-Ação antioxidante.
-Ação antiinflamatória.
-Efeito anti-hipertensivo.
-Atividade antimicrobiana.
-Redução do colesterol.
-Equilíbrio do humor.
-Melhora cognitiva.
-Redução da sarcopenia.



O Whey Protein Inibe o Desenvolvimento de Células Cancerígenas:

Estudos em animais demonstraram que o soro do leite é superior as outras proteínas dietéticas para a supressão de desenvolvimento do câncer.
Este benefício é atribuído ao elevado teor de cisteína / cisteína e dipeptídeos gama-glutamilcisteína do soro utilizado para a síntese
de glutationa; dando ao soro a sua rara capacidade de elevar os níveis de glutationa. A glutationa é bem conhecida por destruir espécies reativas de oxigênio, mas também elimina agentes cancerígenos e garante um sistema imune competente!
Estudos mostram que a prevenção do tumor pela proteína do soro do leite é acompanhada por níveis de glutationa elevados, pela proliferação de linfócitos do baço, fagocitose e da atividade das células natural killer, T helper e celulas T citotóxicas.
E mais um componente de soro de leite ou a lactoferrina inibe poderosamente tumores por várias vias, incluindo indução da apoptose, bloqueando a angiogênese, modulação de enzimas que metabolizam agentes carcinogênicos, e, possivelmente, pela eliminação do excesso de ferro.


A Lactoferrina Modula o Ferro e Proporciona Grandes Benefícios para a Saúde:

A lactoferrina é uma pequena fração do soro de leite. Sua capacidade única para modulação do ferro para cima ou para baixo, conforme necessário, em diferentes tecidos fornece uma notável e ampla gama de benefícios para a saúde que contribuem para os efeitos de extensão da vida do soro de leite.
Extensa pesquisa científica demonstra que, através de sua ampla rede de efeitos moduladores a lactoferrina proporciona:

-Elimina micróbios perigosos
-Alimenta bactérias benéficas
-Se liga ao ferro e previne radicais livres
-Otimiza os níveis de ferro no sangue
-Inibe células cancerígenas
- Melhora as células absortivas intestinais e maturação de células dendríticas (ajudam na identificação de agentes agressores)
-Aumenta a imunidade
-Melhora a transcrição dos genes
-Reduz a inflamação
-Combate a obesidade

Não é de se admirar, que os cientistas descrevem a lactoferrina do soro do leite como "multifuncional".

Subfrações Únicas das Proteínas do Whey Modulam a Origem da Doença Cardiovascular:

A doença cardiovascular é a principal causa de mortalidade nos países do ocidente, e os dois principais fatores que contribuem são a hipertensão (pressão arterial elevada) e a dislipidemia (LDL elevado / HDL reduzido).
Uma pesquisa recente demonstrou que os peptídeos encontrados no soro reduzem esses dois fatores de risco através de vários caminhos. Os peptídeos derivados dos alimentos são considerados muito mais seguros do que os medicamentos anti-hipertensivos.
Vários peptídeos do soro do leite, incluindo a alfa-lactoalbumina e a betalactoglobulina, possuem uma atividade parecida com as substâncias opióides. Peptídeos opióides endógenos se mostram promissores como moduladores da pressão sanguínea.
E evidências limitadas sugerem que a lactoferrina do soro de leite ajuda a modular a agregação plaquetária.

A caseína aumenta o colesterol, mas a proteína do soro do leite mostra efeito oposto !! Duas gerações de ratos foram alimentadas com esfingolípideos, um tipo de fosfolípideo encontrado no whey; diminuindo os níveis de colesterol no sangue em cerca de 30%. Mas como? Os cientistas concluíram que o soro inibe a síntese de colesterol no fígado.
A pesquisa também demonstrou uma forte redução no colesterol LDL nos ratos que receberam o soro do leite, que podem ser mediados através de uma diminuição na fração VLDL (lipoproteína de muito baixa densidade).
Muito interessante foi o fato de que a redução do colesterol (LDL) não foi observada em animais alimentados com misturas de aminoácidos que foram idênticas ao perfil de proteínas do soro do leite; mostrando que os benefícios do soro são específicos para as suas subfracções únicas de proteína, em oposição ao seu
perfil de aminoácidos isolados.
Claramente, os compostos do soro do leite tem efeitos cardioprotetores que vão além daqueles do seu perfil de aminoácidos!



O Whey Retarda o Declínio Neurocognitivo ocasionado pelo Avanço da Idade:

Os níveis de serotonina no organismo podem diminuir com a idade. A taxa de síntese de serotonina no cérebro normalmente depende das concentrações do aminoácido triptofano, que é um precursor essencial para a formação de serotonina. Reforçando isso, a ingestão de triptofano demonstrou aliviar a depressão e o stress.
Um estudo duplo-cego, controlado com placebo, demonstrou que a alfa-lactoalbumina presente no whey, aumenta os níveis de triptofano no sangue. E em indivíduos avaliados como altamente vulneráveis ao estresse, essa fração de soro de leite aumenta a atividade da serotonina no cérebro e a capacidade de enfrentar o estresse e ainda melhora o humor sob condições de estresse.

O desempenho da memória pode diminuir sob estresse crônico, que se acredita resultar em parte pela redução de serotonina no cérebro. Em um estudo duplo-cego, controlado por placebo, o soro de leite melhorou significativamente o desempenho em testes de memória em indivíduos vulneráveis ao estresse.
Além disso, pelo fato de aumentar os níveis de glutationa, o de soro de leite pode proteger contra várias doenças relacionadas com a idade, incluindo as desordens neurocognitivas.
Uma revisão feita em 2012 sugeriu que os peptídeos e a alfa-lactoalbumina encontrados no soro de leite podem ajudar a proteger contra o declínio cognitivo e a demência relacionada com a idade.



Componentes do Whey Protegem o Tecido Gastrointestinal e Aumentam as Bactérias Benéficas:


O soro do leite aumenta os níveis de glutationa, que protege os tecidos contra danos causados ​​por inflamação. Níveis mais baixos de antioxidantes, incluindo a glutationa, estão associados com doença inflamatória intestinal.
Além disso, a glutamina é a fonte de combustível preferido para o suporte das células epiteliais que revestem o intestino delgado (enterócitos); ela é rapidamente utilizada por esses tecidos.
O Whey é a proteína mais saudável encontrada no leite.
As proteínas do leite são compostas em 20% de soro de leite e 80% de caseína. A fração do soro de leite é composta de vários componentes protéicos (peptídeos do whey), e estes possuem benefícios únicos durante estados catabólicos, como por exemplo, na disfunção gastrointestinal entre crianças.

Componentes dietéticos que atuam como prebióticos podem melhorar o equilíbrio e a manutenção de bactérias benéficas do cólon, fornecendo substratos de crescimento. O Soro do leite possui nutrientes que aumentam especificamente o crescimento das bifidobacterias. Estas e outras bactérias protegem o intestino através da secreção de substâncias antimicrobianas, modulando a resposta imunológica, que influencia em várias atividades metabólicas.
Em ratos, o componente de soro de leite alfa-lactolbumina demonstrou uma proteção dependente da dose contra a lesão gástrica provocada por álcool ou stress. Os pesquisadores concluíram que o soro pode ajudar a prevenir a lesão da mucosa gástrica, úlceras e outras patologias gastrointestinais, evitando a necessidade de drogas anti-úlcera e o seu efeitos colaterais.


O Whey Protein Rejuvenesce e Otimiza a Função Imune:


O Whey protein fortalece o sistema imunológico de uma forma muito ampla, sendo uma característica notável e única desta proteína!
As pequenas e as grandes frações do soro de leite são comprovadamente um reforço ao sistema imunológico porque modulam uma completa gama de funções imunes, incluindo a destruição de patógenos e a eliminação de toxinas.
A suplementação de Whey melhora significativamente a resposta primária e secundária (anticorpos); para uma grande variedade de
vacinas.
Um dos principais pilares da imunidade é aquela mediada pelas células adaptáveis do sistema imunológico, o que por meio da expansão clonal (proliferação), constrói uma variedade de antígenos reativos.
Foi mostrado em uma série de estudos que o whey é superior às outras fontes de proteínas disponíveis comercialmente por melhorar a reação da imunidade adaptativa.

Ratos suplementados com soro produziram níveis mais elevados de glóbulos brancos , linfócitos e citocinas , resultando em maior resposta imunitária e severidade de infecção reduzida. 82
A mediação de anticorpos feita pelo sistema imunológico humoral , precisa produzir rapidamente anticorpos em resposta a microorganismos estranhos .
Vários estudos mostraram que , em comparação com outras fontes de proteína: soja, caseína , milho, trigo , clara de ovo , peixe , carne ou espirulina; as proteínas do soro do leite impulsionam substancialmente muito mais a produção de ambas as respostas imunes, tanto a humoral quanto os anticorpos. Na verdade, em alguns casos , a resposta foi aproximadamente cinco vezes maior do que com outras fontes de proteína !
A glutationa é a peça central da proteção imunológica contra o estresse oxidativo endogenamente criado, bem como a partir de fontes exógenas como a poluição, toxinas , exercícios e a exposição aos raios ultravioleta. Como mencionado anteriormente, o soro de leite pode aumentar muito os níveis de glutationa.
Um exemplo de uma condição caracterizada por deficiência de glutationa e maior stress oxidativo , é a infecção por HIV . Felizmente, suplementos de soro de leite têm demonstrado aumentar drasticamente os níveis de glutationa em pessoas com HIV !


Sumário:

O Whey é muitas vezes visto simplesmente como uma fonte de proteína de alta qualidade para os atletas. No entanto , novas evidências indicam que os aminoácidos de cadeia ramificada (BCAAs) e outras frações encontradas no soro; imitam muitos dos benefícios de longevidade da restrição calórica.
Estudos em vários organismos, incluindo ratos de meia idade , demonstram que a suplementação com BCAAs e os outros
componentes de soro de leite podem aumentar a expectativa de vida média o equivalente a 9,6 anos em termos humanos !
Propriedades funcionais de soro de leite:
As proteínas do soro fornecem uma gama diversificada de propriedades funcionais que produzem efeitos benéficos sobre muitos processos biológicos diferentes.
Este efeito modula os caminhos típicos da restrição calórica, incluindo o aumento na biogênese mitocondrial , defesa contra as espécies reativas de oxigênio (ROS), a sinalização celular e expressão de sirtuin 1 (SIRT1), o gene da longevidade dos mamíferos induzida pela restrição calórica !
Whey oferece um método para assegurar alguns dos efeitos anti -envelhecimento da restrição calórica, sem a privação extrema de alimentos.


Nota do Nutricionista:

Acabando finalmente com o mito de que o Whey pode ser usado somente por praticantes de atividade física, podemos observar nesta revisão de estudos que a proteína do soro do leite ajuda em vários aspectos da saúde e longevidade; imitando os efeitos da restrição calórica, melhorando nossa imunidade, massa óssea, massa muscular, contribuindo na flora intestinal e impedindo o declínio cognitivo.
Procure transmitir esse artigo para seus pais e amigos, ajudando a destruir o mito que o whey deve ser usado somente por esportistas e contribuir de forma efetiva para a manutenção da saúde de seus familiares.