quinta-feira, 17 de agosto de 2017

Gengibre (Zingiber officinale) e sua Forte Ação Anti-inflamatória e Anticancerígena.






Artigo Postado por www.whfoods.org

Traduzido pelo Nutricionista Reinaldo José Ferreira CRN3 – 6141
www.suplementacaoesaude.blogspot.com.br




Aromático, pungente e picante, o gengibre acrescenta sabor e um entusiasmo especial às batatas asiáticas e a muitos pratos de frutas e vegetais. A raiz de gengibre fresca está disponível todo o ano na seção de produtos do seu mercado local.
O gengibre é um rizoma subterrâneo da planta de gengibre com uma textura firme e estriada. A polpa do rizoma de gengibre pode ser de cor amarela, branca ou vermelha, dependendo da variedade. Está coberto com uma pele acastanhada que pode ser grossa ou fina, dependendo se a planta foi colhida quando madura ou jovem.
Benefícios para a Saúde:
Historicamente, o gengibre tem uma longa tradição de ser muito eficaz no alívio dos sintomas do sofrimento gastrointestinal. Na medicina naturalista (alternativa), o gengibre é considerado um excelente carminativo (uma substância que promove a eliminação do gás intestinal) e espasmolítico intestinal (uma substância que relaxa e acalma o trato intestinal). A pesquisa científica moderna revelou que o gengibre possui numerosas propriedades terapêuticas, incluindo efeitos antioxidantes, capacidade de inibir a formação de compostos inflamatórios e efeitos anti-inflamatórios diretos.


Alívio Gastrointestinal:

Uma pista para o sucesso do gengibre na eliminação do desconforto gastrointestinal é oferecida por estudos recentes em dupla ocultação, que demonstraram que o gengibre é muito eficaz na prevenção dos sintomas do enjôo. Na verdade, em um estudo, o gengibre mostrou ser muito superior à Dramamine, um medicamento de prescrição comum e de prescrição comum para as náuseas crônicas. O gengibre reduz todos os sintomas associados ao enjôo, incluindo tonturas, náuseas, vômitos e transpiração fria.


Alívio Seguro e Efetivo de Náuseas e Vômitos durante a Gravidez:

A ação anti vômito do Gengibre demonstrou ser muito útil na redução da náusea e vômito da gravidez, mesmo a forma mais grave, hiperemese gravidum, uma condição que normalmente requer hospitalização. Em um ensaio duplo-cego, a raiz do gengibre provocou uma redução significativa na gravidade da náusea e no número de ataques de vômitos em 19 das 27 mulheres no início da gravidez (menos de 20 semanas). Ao contrário dos medicamentos antivírus, que podem causar defeitos congênitos severos, o gengibre é extremamente seguro e apenas uma pequena dose é necessária.
Uma revisão de seis ensaios controlados randomizados duplamente cegos com um total de 675 participantes, publicado na edição de abril de 2005 da revista Obstetrícia e Ginecologia, confirmou que o gengibre é eficaz para aliviar a gravidade da náusea e vômito durante a gravidez. A revisão também confirmou a ausência de efeitos colaterais significativos ou efeitos adversos nos resultados da gravidez.


Efeitos Anti-inflamatórios:

O gengibre contém compostos anti-inflamatórios muito potentes chamados gingeróis. Acredita-se que essas substâncias explicam por que tantas pessoas com osteoartrite ou artrite reumatóide sofrem reduções nos níveis de dor e melhorias na mobilidade quando consomem gengibre regularmente. Em dois estudos clínicos envolvendo pacientes que responderam a drogas convencionais e aqueles que não o fizeram, os médicos descobriram que 75% dos pacientes com artrite e 100% dos pacientes com desconforto muscular experimentaram alívio da dor e/ou inchaço.
Problemas relacionados à artrite com seus joelhos em envelhecimento? Com regularidade, apimentar suas refeições com gengibre fresco pode ajudar, sugere um estudo publicado em uma edição recente do Osteoarthritis Cartilage. Neste estudo de doze meses, 29 pacientes com artrite dolorosa no joelho (6 homens e 23 mulheres com idade variando de 42 a 85 anos) participaram de um estudo de cruzamento controlado por placebo, duplo-cego. Os pacientes mudaram de placebo para gengibre ou vice-versa após 3 meses. Após seis meses, o código duplo-cego foi quebrado e vinte dos pacientes que desejavam continuar foram seguidos por mais seis meses.
No final do primeiro período de seis meses, aqueles que receberam gengibre experimentaram significativamente menos dor no movimento e no handicap (tipo de desvantagem) do que aqueles que receberam placebo. A dor no movimento diminuiu de uma pontuação de 76,14 na linha de base para 41,00, enquanto a desvantagem diminuiu de 73,47 para 46,08. Em contraste, aqueles que foram trocados de gengibre para placebo sofreram um aumento na dor do movimento (até 82.10) e no handicap (até 80.80) da linha de base. Na fase final do estudo, quando todos os pacientes estavam ficando com gengibre, a dor permaneceu baixa naqueles que já estavam tomando gengibre na fase 2 e diminuíram novamente no grupo que estava com placebo.


Não só as experiências subjetivas de dor dos participantes diminuíram, mas inchaço nos joelhos, uma medida objetiva da inflamação diminuída, caiu significativamente naqueles tratados com gengibre. A circunferência média do joelho naqueles que tomaram gengibre caiu de 43,25 cm quando o estudo começou a 39,36 cm pela 12ª semana. Quando este grupo foi transferido para placebo na segunda fase do estudo, as circunferências do joelho aumentaram, enquanto as que estavam no placebo, mas agora passaram para gengibre, experimentaram uma diminuição na circunferência do joelho. Na fase final, quando ambos os grupos receberam gengibre, a circunferência média do joelho continuou a cair, atingindo níveis de 38,78 e 36,38 nos dois grupos.
Como funciona o gengibre, é uma magia anti-inflamatória? Dois outros estudos recentes fornecem possíveis motivos.
Um estudo publicado na edição de novembro de 2003 da Life Sciences sugere que, pelo menos uma razão para os efeitos benéficos do gengibre é a proteção de radicais livres oferecida por um dos seus constituintes fenólicos ativos, 6-gingerol. Neste estudo in vitro (tubo de ensaio), o 6-gingerol mostrou inibir significativamente a produção de óxido nítrico, uma molécula de nitrogênio altamente reativa que rapidamente forma um radical livre muito prejudicial chamado peroxinitrito. Outro estudo que aparece na edição de novembro de 2003 da Radiation Research descobriu que em ratos, cinco dias de tratamento com gengibre (10 mg por quilo de peso corporal) antes da exposição à radiação não só impediram o aumento do dano dos radicais livres aos lipidos (gorduras encontradas em numerosos componentes corporais das membranas celulares ao colesterol),
Um estudo publicado na edição de fevereiro de 2005 da Revista de Medicina Alternativa e Complementar abre luz sobre os mecanismos de ação subjacentes à eficácia anti-inflamatória do gengibre. Nesta pesquisa, o gengibre mostrou suprimir os compostos pró-inflamatórios (citocinas e quimiocinas) produzidos por sinoviócitos (células que compõem o revestimento sinovial das articulações), condrócitos (células que compõem cartilagem articular) e leucócitos (células imunes).





Proteção contra o Câncer Colorretal:

O Gingerol, um dos principais componentes ativos do gengibre e o responsável pelo seu sabor distinto, também podem inibir o crescimento de células de câncer colorretal humano, sugere pesquisas apresentadas na Frontiers in Cancer Prevention Research, uma reunião importante de especialistas em câncer que ocorreu em Phoenix , no Arizona, de 26 a 30 de outubro de 2003.
Neste estudo, pesquisadores do Instituto Hormel da Universidade de Minnesota alimentaram ratos especialmente criados para não ter um sistema imunológico com meio miligrama de (6)-gingerol três vezes por semana antes e depois de injetar células de câncer colorretal humano em seus flancos. Os ratinhos do grupo controle não receberam nenhum (6)-gingerol.
Os tumores apareceram pela primeira vez 15 dias após a injeção dos ratos, mas apenas 4 tumores foram encontrados no grupo de Ratinhos tratados com gingerol em comparação com 13 nos camundongos do grupo controle, e ainda os tumores no grupo do (6)-gingerol foram menores em média. Mesmo no dia 38, um ratinho do grupo (6)-gingerol ainda não tinha tumores mensuráveis. Ao dia 49, todos os camundongos do grupo controle haviam sofrido eutanásia, uma vez que seus tumores haviam crescido para um centímetro cúbico (0,06 polegada cúbica), enquanto os tumores em 12 dos ratinhos tratados com (6)-gingerol ainda tinham uma média de 0,5 centímetro cúbico ou metade do tamanho máximo do tumor permitido antes de serem submetidos a eutanásia.
A pesquisadora Ann Bode observou: "Esses resultados sugerem fortemente que os compostos do gengibre podem ser agentes quimiopreventivos e/ou quimioterapêuticos efetivos para carcinomas colorretais".
Nesta primeira rodada de experimentos, os ratos foram alimentados com gengibre antes e depois que as células tumorais foram injetadas. Na próxima rodada, os pesquisadores alimentam os ratos com gengibre somente depois que seus tumores cresceram até um certo tamanho. Isso permitirá que eles examinem a questão de saber se um paciente pode comer gengibre para retardar a metástase de um tumor não operacional. Eles são otimistas? As ações da Universidade de Minnesota sugerem fortemente que são. A Universidade já solicitou uma patente sobre o uso de (6)-gingerol como agente anticancerígeno e licenciou a tecnologia para a Pediatric Pharmaceuticals (Iselin, NJ).


Gengibre Induz a Morte Celular em Células de Câncer de Ovário:

Experimentos de laboratório apresentados na 97ª Reunião Anual da Associação Americana para o Câncer, da Dra. Rebecca Lui e seus colegas da Universidade de Michigan, mostraram que os gingeróis, os fitonutrientes ativos no gengibre, matam células de câncer de ovário induzindo apoptose (morte celular programada) e a autofagocitose (auto-digestão).
Os extratos de gengibre demonstraram ter efeitos antioxidantes, anti-inflamatórios e antitumorais nas células. Para investigar o último, a Dr. Liu examinou o efeito de um extrato de gengibre contendo 5% de gingerol em várias linhas celulares de diferentes tipos de câncer de ovário.
A exposição ao extrato de gengibre causou a morte celular em todas as linhas de câncer de ovário estudadas.
Um estado pró-inflamatório é considerado um importante fator contribuinte no desenvolvimento do câncer de ovário. Na presença de gengibre, vários indicadores-chave da inflamação (fator de crescimento endotelial vascular, interleucina-8 e prostaglandina E2) também diminuíram nas células de câncer de ovário.

Os agentes quimioterapêuticos convencionais também suprimem esses marcadores inflamatórios, mas podem fazer com que as células cancerosas se tornem resistentes à ação das drogas. Liu e seus colegas acreditam que o gengibre pode ser de benefício especial para pacientes com câncer de ovário porque as células cancerosas expostas ao gengibre não se tornam resistentes aos efeitos que destroem o câncer. No caso do câncer de ovário, uma onça de prevenção, na forma deliciosa de uso liberal de gengibre; é uma ideia especialmente boa. O câncer de ovário é muitas vezes mortal, pois os sintomas tipicamente não aparecem até o final do processo da doença, então, quando o câncer de ovário é diagnosticado, ele se espalhou para além dos ovários. Mais de 50% das mulheres que desenvolvem câncer de ovário são diagnosticadas nos estágios avançados da doença.


Ação de Impulso Imunológico:

O gengibre não só pode ajudar no aquecimento em um dia frio, mas pode ajudar a promover a transpiração saudável, o que geralmente é útil durante gripes e resfriados. Um bom suor pode fazer muito mais do que simplesmente ajudar a desintoxicação. Pesquisadores alemães descobriram recentemente que o suor contém um poderoso agente de combate aos germes que pode ajudar a combater as infecções. Os investigadores isolaram o gene responsável pelo composto e a proteína que produz, que eles chamaram de dermicidina. A dermicidina é fabricada nas glândulas sudoríparas do corpo, segregada no suor e transportada para a superfície da pele, onde protege contra microorganismos invasores, incluindo bactérias como E. coli e o Staphylococcus aureus (uma causa comum de infecções cutâneas) e fungos.

O gengibre está tão concentrado com substâncias ativas, que não precisa usar muito para receber seus efeitos benéficos. Para a náusea, o chá de gengibre feito com uma ou duas fatias de 1/2 polegada (uma fatia de 1/2 de polegada é igual a 2/3 de onças) de gengibre fresco em uma xícara de água quente provavelmente será tudo o que você precisa para resolver seu estômago. Para a artrite, algumas pessoas encontraram alívio consumindo tão pouco quanto uma fatia de gengibre fresco de 1/4 de polegada, embora nos estudos acima mencionados, os pacientes que consumiram mais gengibre relataram um alívio mais rápido e melhor.




Nota do Nutricionista:

Esse artigo mostra algumas provas da efetividade do gengibre em doenças muito comuns atualmente como o câncer e o reumatismo.
Os agentes quimioterapêuticos convencionais também suprimem esses marcadores inflamatórios, mas podem fazer com que as células cancerosas se tornem resistentes à ação das drogas. Liu e seus colegas acreditam que o gengibre pode ser de benefício especial para pacientes com câncer de ovário porque as células cancerosas expostas ao gengibre não se tornam resistentes aos efeitos que destroem o câncer.
Se você desconfia da ação do gengibre, procure usá-lo em conjunto com as drogas convencionais.
Será uma ótima ajuda.



Referências:

1) Akoachere JF, Ndip RN, Chenwi EB et al. Antibacterial effect of Zingiber officinale and Garcinia kola on respiratory tract pathogens. East Afr Med J. 2002 Nov;79(11):588-92. 2002.
2) Bode A. Ginger is an effective inhibitor of HCT116 human colorectal carcinoma in vivo. paper presented at the Frontiers in Cancer Prevention Research Conference, Phoenix, AZ, Ocbober 26-3-, 2003. 2003.
3) Borrelli F, Capasso R, Aviello G, Pittler MH, Izzo AA. Effectiveness and safety of ginger in the treatment of pregnancy-induced nausea and vomiting. Obstet Gynecol. 2005 Apr;105(4):849-56. 2005. PMID:15802416.
4) Ensminger AH, Ensminger, ME, Kondale JE, Robson JRK. Foods & Nutriton Encyclopedia. Pegus Press, Clovis, California. 1983.
5) Ensminger AH, Esminger M. K. J. e. al. Food for Health: A Nutrition Encyclopedia. Clovis, California: Pegus Press; 1986. 1986. PMID:15210.
6) Ficker CE, Arnason JT, Vindas PS et al. Inhibition of human pathogenic fungi by ethnobotanically selected plant extracts. Mycoses. 2003 Feb;46(1-2):29-37. 2003.
7) Fischer-Rasmussen W, Kjaer SK, Dahl C, et al. Ginger treatment of hypereesis gravidarum. Eur J Obstet Gynecol Reprod Biol 38(1990):19-24. 1990.
8) Fortin, Francois, Editorial Director. The Visual Foods Encyclopedia. Macmillan, New York. 1996.
9) Grieve M. A Modern Herbal. Dover Publications, New York. 1971.
10) Ippoushi K, Azuma K, Ito H, Horie H, Higashio H. [6]-Gingerol inhibits nitric oxide synthesis in activated J774.1 mouse macrophages and prevents peroxynitrite-induced oxidation and nitration reactions. Life Sci. 2003 Nov 14;73(26):3427-37. 2003.

11) Jagetia GC, Baliga MS, Venkatesh P, Ulloor JN. Influence of ginger rhizome (Zingiber officinale Rosc) on survival, glutathione and lipid peroxidation in mice after whole-body exposure to gamma radiation. Radiat Res. 2003 Nov;160(5):584-92. 2003.
12) Kiuchi F, et al. Inhibition of prostaglandin and leukotriene biosynthesis by gingerols and diarylheptanoids. Chem Pharm Bull 40 (1992):387-91. 1992.
13) Nature Immunology Online. Nature Immunology Online. 2001;10.1038/ni732. 2001.
14) Phan PV, Sohrabi A, Polotsky A, Hungerford DS, Lindmark L, Frondoza CG. Ginger extract components suppress induction of chemokine expression in human synoviocytes. J Altern Complement Med. 2005 Feb;11(1):149-54. 2005. PMID:15750374.
15) Rhode JM, Huang J, Fogoros S, Tan L, Zick S, Liu JR. Ginger induces apoptosis and autophagocytosis in ovarian cancer cells. Abstract #4510, presented April 4, 2006 at the 97th AACR Annual Meeting, April 1-5, 2006, Washington, DC. 2006.
16) Srivastava KC, Mustafa T. Ginger (Zingiber officinale) and rheumatic disorders. Med Hypothesis 29 (1989):25-28. 1989.
17) Srivastava KC, Mustafa T. Ginger (Zingiber officinale) in rheumatism and musculoskeletal disorders. Med Hypothesis 39(1992):342-8. 1992.
18) Wigler I, Grotto I, Caspi D, Yaron M. The effects of Zintona EC (a ginger extract) on symptomatic gonarthritis. Osteoarthritis Cartilage. 2003 Nov;11(11):783-9. 2003.
19) Wood, Rebecca. The Whole Foods Encyclopedia. New York, NY: Prentice-Hall Press; 1988. 1988. PMID:15220.




sexta-feira, 11 de agosto de 2017

Uma Abordagem dos Efeitos Terapêuticos do Allium Sativum (Alho) no Sistema Imunológico.






Artigo Editado por Daisy Cristina Borges da Hora, PhD.
(Revista Científica – UniAraras)

Postado pelo Nutricionista Reinaldo José Ferreira CRN3 – 6141
www.suplementacaoesaude.blogspot.com.br




A utilização de plantas com objetivos terapêuticos é descrita desde 2.800 antes de Cristo, observando-se nos últimos anos um aumento no seu consumo em substituição a determinados medicamentos alopáticos. Este crescente uso deve-se principalmente aos benefícios provocados no organismo, associados à ausência de efeitos colaterais, além da facilidade do preparo associada ao baixo custo. O Allium sativum (alho) é utilizado na cultura popular com o objetivo de prevenir e tratar afecções diversas. Estudos científicos comprovaram que o extrato do alho é capaz de estimular o sistema imunológico, gerando uma ação pró-inflamatória a partir da proliferação e amplificação da resposta mediada por células T e NK (Natural Killer), além da maior produção de citocinas pró-inflamatórias sem que se observe efeito hepatotóxico. A comprovação científica dos benefícios associados à baixa toxicidade do alho e ao estímulo do sistema imune permite que este vegetal seja administrado no tratamento e prevenção de vários processos inflamatórios.


Introdução:

Os compostos naturais têm sido utilizados por um crescente número de indivíduos de forma empírica com o objetivo de prevenir e de tratar afecções diversas. Além da comprovação da ação terapêutica de várias plantas usadas popularmente, a fitoterapia representa parcela importante da cultura de um povo, sendo também parte de um saber empregado e difundido ao longo de várias gerações (TOMAZZONI, NEGRELLE e CENTA, 2006).
O aumento no consumo de plantas medicinais deve-se aos avanços na área científica, à fácil acessibilidade terapêutica, ao baixo custo e, principalmente, a um maior questionamento por parte dos pesquisadores e da população a respeito dos perigos causados pelo uso abusivo de produtos farmacêuticos sintéticos (ARNOUS, SANTOS e BEINNER, 2005; SOUZA e MACIEL, 2010).
Há gerações, o alho é utilizado na culinária e no tratamento de vários males, tendo, nos últimos anos, sido alvo de análises sistemáticas que objetivam a comprovação de características nutricionais e terapêuticas.

Dentre as espécies analisadas, o Allium sativum foi apontado como possível substituto de determinados medicamentos sintéticos, sendo o seu uso recomendado pela Agência Nacional de Vigilância Sanitária (ANVISA) e pela Organização Mundial de Saúde (OMS) por mostrar-se significativamente mais eficaz quando comparado a outros gêneros estudados (MOTA et al., 2005; APOLINÁRIO et al., 2008).
Segundo Rivlin (2001), o alho é utilizado de forma medicinal, como tempero e como alimento há mais de cinco mil anos, sendo um dos primeiros fitoterápicos já registrados. É considerado eficaz no tratamento de doenças e na manutenção da saúde. Estudos científicos comprovaram que o alho é um potente estimulante do sistema imunológico, podendo ser consumido por indivíduos desde a infância até a senescência, sem contraindicações.
Este trabalho tem como objetivo descrever, por meio de revisão bibliográfica, os benefícios do Allium sativum, salientando a ação imunoestimuladora quando ele é usado como fitoterápico. A revisão da literatura foi realizada com base em artigos científicos encontrados em bancos de dados, como PubMed, Scielo, Google Acadêmico e Medline, no período de 1997 a 2015.


Descrição:

O uso de remédios à base de ervas remonta ao início da civilização, quando os curandeiros tribais utilizavam um repertório de substâncias naturais com o objetivo de restaurar a saúde física, mental e espiritual dos indivíduos. Por volta de 2800 a 2700 a.C., foram realizados os primeiros registros do uso dessas substâncias com finalidades terapêuticas, quando o imperador chinês Sheng-Nung catalogou 365 ervas medicinais e venenos utilizados no taoísmo. Posteriormente, uma lista significativa de produtos naturais foi elaborada pelos adeptos da medicina ayurvédica (FRANÇA et al., 2008).
No século XIX, junto à alquimia, teve início o processo de purificação de extratos vegetais, metodologia que possibilitou a ascensão da alopatia, a qual consiste na utilização de medicamentos capazes de gerar um efeito no organismo de reação contrária aos sintomas apresentados a fim de diminuí-los ou de neutralizá-los, porém as doses das substâncias utilizadas encontram-se no limite da toxicidade, quase sempre produzindo efeitos colaterais (FRANÇA et al., 2008).
Em contrapartida, as plantas medicinais são aquelas capazes de aliviar ou de curar enfermidades, sendo utilizadas tradicionalmente por uma população ou comunidade de forma empírica. Elas possuem um ou mais princípios ativos, os quais apresentam propriedades terapêuticas que, quando industrializadas, resultam em compostos denominados fitoterápicos (ANVISA, 2010).
Aproximadamente 80% da população mundial aplica a medicina tradicional, ou fitoterapia, como forma de tratamento fundamentada predominantemente em plantas, o que gerou um mercado de 50 bilhões de dólares no ano de 2008 (MADRIGAL-SANTILLÁN et al., 2014).
A ANVISA divulgou em 2010 uma tabela com mais de 60 fitoterápicos e o modo de preparo de cada um desses compostos, destacando que sua ação terapêutica é totalmente influenciada pela forma como eles são manipulados (ANVISA, 2010).
Popularmente, o extrato aquoso de alho é utilizado com o objetivo de prevenir e de tratar afecções diversas, como artrite, dor de dente, tosse crônica, constipação, infestação parasitária, picadas de cobras e insetos, doenças ginecológicas e outras infecções de modo geral (BAYAN, KOULIVAND e GORJI, 2014).

Atualmente, foram identificados cerca de 30 componentes do alho que apresentam efeito terapêutico. De acordo com Majewski (2014), seu efeito curativo deve-se à composição de substâncias biológicas ativas, que incluem enzimas, como a alinase; compostos sulfurados, destacando-se a alina; e componentes produzidos enzimaticamente, como a alicina (KATZUNG, 2003).
O bulbo do alho (A. sativum) deve ser macerado na concentração de 0,5 g em 30 ml de água, no entanto o preparo artesanal é realizado de formas variadas, conforme descrito por Algranti (2012), como em tintura; amassado com azeite de oliva; em infusão com leite ou vinagre; cozido; ou ainda diluído em água após maceração (CURY, 2010).
Segundo Quintaes (2001), o extrato de alho pode ser ministrado a pacientes com debilidade significativa do sistema imunológico, pois as propriedades desse vegetal são capazes de estimular tanto a imunidade humoral quanto a celular, o que justifica a inclusão do alho na dietoterapia desses indivíduos.
Mirabeau e Samson (2012) relatam que o extrato de alho surte maior efeito sobre as populações de leucócitos totais, destacando-se os linfócitos TCD4+, em comparação ao extrato de cebola e aos extratos combinados desses dois vegetais na mesma concentração.




Anteriormente, Tang et al. (1997) verificaram que o extrato de alho foi capaz de elevar acentuadamente a atividade de linfócitos T e a concentração da interleucina-2. Fallah-Rostami et al. (2013) observaram que a ingestão desse fitoterápico estimula a diferenciação de células Th0 em Th1 (linfócitos), além de aumentar a população e a função de células NK, bem como o potencial de proliferação dos linfócitos.
Experimentos realizados por Nantz et al. (2011) avaliaram a influência da suplementação com extrato envelhecido de alho (2,56 g/d) sobre a proliferação de células do sistema imune e sua atuação contra os sintomas de resfriados e gripes em 120 indivíduos saudáveis. O estudo randomizado duplo-cego mostrou que o grupo de indivíduos que recebeu o tratamento apresentou maior proliferação de células γδ-T e NK do que os indivíduos do grupo placebo. Verificou-se também que o grupo que consumiu o extrato apresentou redução na severidade desses quadros clínicos.
Hassan et al. (2003) observaram que, ao ser administrado um extrato contendo 20 mg/kg de alho fresco em camundongos, ocorre um aumento significativo de células NK nesses animais, assim como a elevação da capacidade de eliminação de células cancerígenas da linhagem K562. Essa maior atividade citotóxica foi associada à presença de glicoproteínas nesse composto fitoterápico.
Feng et al. (2012) revelaram que a alicina, princípio ativo liberado pela maceração do alho, quando administrada em camundongos Balb/c pós-infectados com Plasmodium yoelii, reduziu a parasitemia e prolongou a sobrevivência desses animais em decorrência do aumento de mediadores pró-inflamatórios, como o interferon gama (IFN-γ). Além disso, o tratamento com alicina estimulou a proliferação de células T CD4+ e macrófagos. A atividade antimicrobiana deste composto foi demonstrada por modulação das citocinas ativadoras de macrófagos que controlavam a infecção parasitária.

A pesquisa de Bhattacharyya et al. (2007) investigou o aumento da concentração de NO (óxido nítrico) e de IFN-alfa no plasma de voluntários saudáveis após eles ingerirem alho fresco. Posteriormente à ingestão de 2,0 g de alho fresco, os níveis de NO e de IFN-alfa plasmáticos foram determinados depois de duas e de quatro horas. Verificou-se que o nível basal de NO no plasma desses voluntários foi de 2,7 μm e de 8,76 μm após duas e quatro horas respectivamente. O nível de IFN-alfa basal no plasma aumentou de 9,51 nm para 46,3 nm nos mesmos tempos. Durante a ingestão assídua de alho, foram encontrados níveis elevados de IFN-alfa sérico durante pelo menos sete dias a partir de sua retirada da dieta.
É válido ressaltar que, de acordo com Samson et al. (2012), foi comprovado que o alho não apresenta potencial hepatotóxico no organismo de ratos quando administradas doses de até 600 mg/kg por dia durante um período de trinta dias.




Conclusão:

A medicina popular usa o alho (Allium sativum) há centenas de anos de forma empírica no combate e prevenção contra diversos males. A realização de estudos sistematizados permitiu a confirmação de vários benefícios propiciados pela utilização desse vegetal, sendo o seu consumo recomendado pela ANVISA e pela OMS como um possível substituto de determinados medicamentos sintéticos, uma vez que seu uso não causa efeitos hepatotóxicos.
A realização de novos estudos científicos possibilitará a ampliação dos conhecimentos sobre os princípios ativos do alho, permitindo melhor padronização no preparo e na determinação da dose a ser ministrada, otimizando os efeitos curativos e protetores relacionados ao organismo humano.


Referências Bibliográficas:


ALGRANTI, L. M. Saberes culinários e a botica doméstica: beberagens, elixires e mezinhas no império português (séculos XVI-XVIII). Saeculum: Revista de História, João Pessoa, v. 2, n. 27, p. 13-30, jul./dez. 2012.

ANVISA – AGÊNCIA NACIONAL DE VIGILÂNCIA SANITÁRIA. O que devemos saber sobre medicamentos. Brasília: ANVISA, 2010. 104 p. Disponível em: . Acesso em: 24 ago. 2015.

APOLINÁRIO, A. C. et al. Allium sativum L. como agente terapêutico para diversas patologias: uma revisão. Biofar: Revista de Biologia e Farmácia, Paraíba, v. 2, n. 1, p. 1-6, jul. 2008. Disponível em: . Acesso em: 11 mar. 2015.

ARNOUS, A. H.; SANTOS, A. S.; BEINNER, R. P. C. Plantas medicinais de uso caseiro: conhecimento popular e interesse por cultivo comunitário. Revista Espaço para Saúde, v. 6, n. 2, p. 1-6, 2005.
BAYAN, L.; KOULIVAND, P. H.; GORJI, A. Garlic: a review of potential therapeutic effects. Avicenna Journal of Phytomedicine, Münster, v. 4, n. 1, p. 1-14, jan./fev. 2014. Disponível em: . Acesso em: 26 fev. 2015.

BHATTACHARYYA, M. et al. Systemic production of IFN-alpha by garlic (Allium sativum) in humans. Journal of Interferon & Citokine Research, Calcutá, v. 27, n. 5, p. 377-382, maio 2007.

CURY, L. Uso de plantas medicinais da tradição popular é regulamentado. ANVISA, Brasil, 11 mar. 2010. Disponível em: <http://portal.anvisa.gov.br/wps/content/anvisa+portal/anvisa/sala+de+imprensa/menu+-+noticias+anos/2010+noticias/uso+de+plantas+medicinais+da+tradicao+popular+e+regulamentado>. Acesso em: 11 mar. 2014.

FALLAH-ROSTAMI, F. et al. Immunomodulatory Activity of Aged Garlic Extract Against Implanted Fibrosarcoma Tumor in Mice. North American Journal of Medical Scienses. Tehran, v. 5, n. 3, p. 207-212, mar. 2013. Disponível em: . Acesso em: 8 abr. 2015.

FENG, Y. et al. Allicin enhances host pro-inflammatory immune responses and protects against acute murine malaria infection. Malaria Journal, Liverpool, v. 11, n. 268, p. 1-9, ago. 2012. Disponível em: . Acesso em: 24 ago. 2015.

FRANÇA, I. S. X. de. et al. Medicina Popular: Benefícios e Malefícios das Plantas Medicinais. Revista Brasileira de Enfermagem - REBEN, Brasília, v. 61, n. 2, p. 201-208, abr. 2008. Disponível em: . Acesso em: 24 ago. 2015.

HASSAN, Z. M. et al. Imunomodulatory affect of R10 fraction of garlic extract on natural killer activity. International Immunopharmacology, Tehran, v. 3, n. 10-11, 2003, p. 1.483-1.489, jun. 2003. Disponível em: . Acesso em: 24 ago. 2015.

KATZUNG, B. G. Farmacologia Básica e Clínica. 8. ed. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan, 2003.
MADRIGAL-SANTILLÁN, E. et al. Review of natural products with hepatoprotective effects. World Journal of Gastroenterologist. Pleasanton, v. 20, n. 40, p. 14787-14804, out. 2014. Disponível em: . Acesso em: 24 ago. 2015.

MAJEWSKI, M. Allium sativum: facts and myths regarding human health. Rocz Panstw Zakl Hig, Olsztyn, v. 65, n. 1, p. 1-8, 2014. Disponível em: Rocznik_PZH_1-2014%20(1).pdf>. Acesso em: 24 ago. 2015.

MIRABEAU, T. Y.; SAMSON, E. S. Effect of Allium cepa and Allium sativum on some immunological cells in rats. African Journal Tradit Complement Altern Med, Okada, v. 9, n. 3, p. 374-379, abr. 2012.

MOTA, J. H. et al. Análise da evolução da produção e relação risco-retorno para a cultura do alho, no Brasil e regiões (1991 a 2000). Horticultura Brasileira, v. 23, n. 2, p. 238-241, abr./jun. 2005. Disponível em: . Acesso em: 24 ago. 2015.

NANTZ, M. P. et al. Supplementation with aged garlic extract improves both NK and γδ-T cell function and reduces the severity of cold and flu symptoms: a randomized, double-blind, placebo-controlled nutrition intervention. Clinical Nutrition, Florida, v. 31, n. 3, p. 337-344, dez. 2011.

QUINTAES, K. D. Alho, nutrição e saúde. Revista NutriWeb, v. 3, n. 2, 2001. Disponível em: . Acesso em: 26 jul. 2014.

RIVLIN, R. S. Historical perspective on the use of garlic. The Journal of Nutrition, v. 131, n. 3, p. p. 951–954, 2001. Disponível em: . Acesso em: 26 ago. 2015.

SAMSON, E. S. et al. Haematological and Hepatotoxic Potential of Onion (Allium cepa) and Garlic (Allium sativum) Extracts in Rats. European Journal of Medicinal Plants, Edo State, v. 2, n. 4, p. 290-307, out. 2012.

SOUZA, F. S.; MACIEL, C. C. S. Produtos fitoterápicos e a necessidade de um controle de qualidade microbiológico. VEREDAS FAVIP – Revista Eletrônica de Ciências, Pernambuco, v. 3, n. 2, p. 23-30, jul./dez. 2010. Disponível em: . Acesso em: 26 fev. 2015.

TANG, Z. et al. The preventing function of garlic on experimental oral precancer and its effect on natural killer cells, T-lymphocytes and interleukin-2. Bulletin of Human Medical University, Changsha, v. 22, n. 3, p. 246-248, 1997.

TOMAZZONI, M. I.; NEGRELLE, R. R. B.; CENTA, M. L. Fitoterapia popular: a busca instrumental enquanto prática terapêutica. Texto Contexto Enfermagem, Florianópolis, v. 15, n. 1, p. 115-121, 2006.

domingo, 30 de julho de 2017

Monolaurina – A Gordura que Fortalece o Sistema Imunológico.







Artigo Editado por Byron J. Richards, Nutricionista Clínico.

Traduzido pelo Nutricionista Reinaldo José Ferreira CRN3 – 6141
www.suplementacaoesaude.blogspot.com.br




A monolaurina é um ácido graxo longo de 12 carbonos, derivada do óleo de coco e encontrada no leite materno, mas também preparada a partir de um monoester de ácido láurico. Décadas de pesquisa demonstraram as propriedades desinfetantes e de destruição de germes deste composto natural. Deve-se ressaltar que a monolaurina é um componente do leite materno, e isso é parte do apoio imune da Mãe Natureza que é transmitido de mãe para filho e vital para a sobrevivência da raça humana. Qualquer nutriente no leite materno deve ser muito útil ao bebê, e sem dúvida, muito eficaz para aumentar sua imunidade. Isso ajuda você a entender a segurança e a não toxicidade deste simples nutriente de ácido graxo. Bem, se não é nada além de um ácido graxo (gordura) sem toxicidade, então, como é que ajuda a imunidade? Afinal, todos os antibióticos em uso pela medicina ocidental estão essencialmente destruindo germes com força tóxica. Qual o segredo que Mãe Natureza tem na manga?
Mapear o genoma humano foi realmente um grande avanço que abriu muitas portas para entender como as coisas funcionam em seu corpo. Os cientistas estão agora a mapear os genomas dos conteúdos do seu aparelho digestivo, as centenas de trilhões de células que têm um enorme impacto na sua saúde. Esta é a fronteira da medicina para os próximos 50 anos, que eventualmente resultará no desenvolvimento de antibióticos não tóxicos e tratamentos seguros para doenças autoimunes. Entretanto, muitas peças do quebra-cabeça começam a se encaixar no lugar, informações que você pode usar para manter você e sua família em melhor estado de saúde.


Esta nova ciência está relatando descobertas imunológicas fascinantes quase diariamente. Por exemplo, em 31 de outubro de 2008 a edição da revista Jornal Cell, cientistas relatam que os esporos de bactérias crescem (1) e se espalham falando com bactérias dormentes nas proximidades, motivando-os essencialmente a se juntarem a sua causa (que é infectar seu corpo). Isso transforma os conteúdos digestivos inofensivos em combatentes ativos. As bactérias hostis liberam fragmentos de suas membranas celulares chamadas muropeptídeos, uma molécula de comunicação baseada em carboidratos que sinaliza aos "amigos" latentes para se unirem à batalha. Os pesquisadores acreditam que este é um princípio universal de infecções bacterianas. Nós já sabemos que a Candida albicans se comporta dessa maneira. Que ferramentas você tem para manter esse tipo de problema em cheque?
Essas descobertas significam que o equilíbrio de poder que reside no trato digestivo, bem como nas superfícies de seus seios, pulmões e pele, tem uma profunda influência sobre sua imunidade e saúde. Se a sua base de saúde são muitas gangues ruins já ativas em seus bairros, como reflete a natureza dos sintomas em curso, seu sistema imunológico já está lutando para acompanhar os desafios dentro de suas próprias cidades. O que acontece se você for atacado por algo realmente hostil que você respira e engula ou coma? Obviamente, o terreno saudável do seu trato digestivo determina a base de competência do sistema imunológico e sua capacidade de enfrentar diretamente um verdadeiro desafio, como um vírus da gripe hostil que deve primeiro incubar em seu aparelho digestivo antes de se espalhar para alguma outra área do seu corpo.


E pense em um bebê que acaba de vir para o mundo que não tem competência digestiva ou equilíbrio e sem células imunológicas com base na experiência, como eles sobrevivem a uma infecção se forem infectados? Isso ajuda você a entender o verdadeiro poder da monolaurina e outros componentes de suporte imunológico que são encontrados naturalmente no leite materno.






Monolaurina, Bactérias Gram Positivas, H. Pylori e Candida:

Pesquisas que datam de 30 anos identificaram que os ácidos graxos com
12 carbonos (2) da monolaurina eram altamente eficazes para combater bactérias gram positivas e leveduras (como aCandida albicans). A capacidade da monolaurina de matar a Candida (3) foi estabelecida. A maior parte da pesquisa foi realizada em bactérias gram positivas, pois o composto pode ser usado para reduzir infecções em aves e ajudar a limpar equipamentos envolvidos na produção de alimentos. E a monolaurina é eficaz contra muitos vírus. O nutriente tem sido amplamente utilizado como suplemento dietético de suporte imunológico por várias décadas.
As bactérias gram positivas são aquelas que contêm uma rede de parede celular de malha grossa composta de açúcares e aminoácidos. Destruir essa parede celular externa tipo malha é a chave para impedir que elas se espalhem. As bactérias preocupantes nesta categoria estão nas famílias de Streptococcus, Staphylococcus, Corynebacterium, Listeria, Bacillus e Clostridium.
Verificou-se que a monolaurina incorpora-se na membrana celular
(4) de bactérias gram positivas e tem o efeito líquido de perturbar a integridade da sua membrana celular, bloqueando a replicação e tornando então as bactérias um inimigo mais fácil para o nosso sistema imunológico combater.


Em 1992, os pesquisadores da Universidade de Minnesota demonstraram uma maneira adicional de ajudar a monolaurina, mostrando que poderia reduzir a toxicidade (5) das bactérias Gram positivas de Staphylococcus. Mais recentemente, outras bactérias gram positivas, Bacillus anthracis, foram levadas à atenção do público pela ameaça de seu uso no bioterrorismo. Como muitas bactérias, a gravidade da infecção é baseada em quanto de toxina ela pode produzir. Em 2005, os pesquisadores da Universidade de Minnesota desta vez demonstraram que a monolaurina inibiu os genes que permitiram que o antraz (6) gerasse toxinas. Na pesquisa de 2006, eles mostraram o mecanismo de redução da toxicidade da infecção por bactérias gram-positivas (7) aplicada em muitos organismos, indicando que a monolaurina provavelmente ajudará a reduzir a toxicidade de qualquer infecção gram-positiva tornando-a menos grave. Esta pesquisa também descobriu que as células saudáveis foram fortalecidas pela monolaurina, além de ajudá-las a combater a toxicidade.
A monolaurina demonstrou alguma habilidade para ajudar a regular bactérias gram negativas, uma das quais é um habitante intestinal comum conhecido como Helicobacter pylori (H. pylori). Se o H. pylori começa a ficar fora de equilíbrio e se torna hostil, como uma brigada ruim no bairro, então muita dor no estômago pode ocorrer. Os pesquisadores mostraram que a monolaurina tem um efeito de morte germinativo direto e potente na H. Pylori
(8), independentemente do pH do estômago. A habilidade de matar germinações de H. pyloria (8) da monolaurina foi confirmada (9) por um segundo grupo de pesquisadores. Ainda não sabemos exatamente como a monolaurina é capaz de matar essas bactérias gram negativas.
A pesquisa mostrou que a monolaurina não é eficaz contra a maioria das bactérias gram negativas, como a Salmonella ou a E. coli, que possuem um tipo diferente de membrana celular externa em relação as bactérias gram positivas. Em contraste com esta descoberta geral, um estudo de bactérias cultivadas a partir da pele
(10) de crianças descobriu que a monolaurina inibiu o crescimento de bactérias gram positivas e gram negativas.


Observou-se geralmente que nenhuma bactéria gram positiva é resistente à monolaurina. No entanto, um estudo recente demonstrou que várias super-cepas (11) de Enterococcus Resistentes a Vancomicina (VRE) desenvolveram resistência parcial (até 70%) à monolaurina. O VRE é especialmente problemático para aqueles com imunidade fraca. Desconhecemos se a monolaurina é eficaz ou não contra o Staphylococcus aureus resistente à meticilina(MRSA). Uma análise detalhada no estudo VRE mostrou que a mutação da bactéria enterocócica tinha aprendido a apertar suas paredes celulares, tornando mais difícil para a monolaurina obter um caminho ou entrada (o mesmo problema que os antibióticos estavam tendo). Verificou-se que a monolaurina reduz a toxicidade das infecções gram-positivas, e mostrou ajudar a Vancomicina (12) a trabalhar melhor contra essas super-cepas; o que significa que a monolaurina usada junto com cuidados médicos apropriados pode produzir um resultado superior.


Monolaurina e Vírus:

A monolaurina é um dos nutrientes mais populares para ajudar a combater vários tipos de vírus. Acredita-se que funcione interagindo com os lipídios e os fosfolípidos que formam o envelope do vírus, fazendo-o enfraquecer ou desintegrar-se. A pesquisa sugere
(13) que a monolaurina exerce algum grau de apoio imunológico para os seguintes vírus:

Vírus da imunodeficiência humana HIV-1,
HIV + Vírus do sarampo
• Herpes simplex virus-1
• Herpes simplex virus-2
• Herpes viridae (todos)
• Vírus linfotrópicos humanos (tipo 1)
• Vírus vesicular da estomatite
• Vírus de Visna
• Citomegalovírus
Vírus de Epstein-Barr
Vírus da gripe
• Pneumonovírus
• Vírus do Sarcoma
• Vírus sincicial


Um estudo mostrou que, embora a monolaurina fosse efetiva contra o Citomegalovírus (14), não era eficaz contra os rinovírus, causa do resfriado comum. Há muitos relatórios anedóticos da monolaurina ajudando a combater a gripe.
Muitos dos tipos de vírus que a monolaurina ajuda são aqueles que podem ser infecções crônicas de baixa intensidade que diminuem a energia regularmente e aumentam quando você está estressado ou com baixa imunidade. Se você já teve uma forte queda na imunidade e nunca realmente recebeu sua energia de volta, então a monolaurina pode ajudar seu sistema imunológico a limpar o problema, mesmo anos depois. Muitos acham útil para lesões bucais recorrentes que são problemas relacionados ao herpes.
A nova descoberta de que muitos vírus revestidos com lipídios podem viver em sua gordura armazenada e perturbar seu metabolismo, promovendo a obesidade, abre a porta para o uso de monolaurina para auxiliar o controle de peso; embora nenhum estudo específico tenha sido feito sobre esse assunto.
Em resumo, a monolaurina é um ácido graxo nutricional que não é tóxico para os seres humanos e um nutriente importante para a saúde das células humanas. Em contraste, pode ser um golpe de nocaute para bactérias gram positivas e vários problemas virais difíceis. Também pode ajudar a manter os habitantes normais do seu aparelho digestivo, como H. Pylori e Candida albicans, em um melhor estado de equilíbrio saudável.


Leite Materno e Óleo de Coco: As Melhores Fontes de Monolaurina:

Um workshop realizado pela Fundação HEAL na cidade de Mumbai na Índia recentemente identificou um ácido graxo de cadeia média de 12 carbonos, nomeadamente ácido láurico, que apresenta uma superior propriedade moduladora imune. Especialistas revelaram que o ácido laurico se converte em uma molécula biologicamente ativa chamada Monolaurina, que efetivamente mata bactérias, vírus e fungos causadores de doenças.
O leite materno é considerado uma das poções imunológicas mais potentes e efetivas que ajuda um bebê recém-nascido com sistema imunológico subdesenvolvido a combater uma invasão bacteriana fatal. Quando analisado, 50% do leite materno é de gordura saturada, dos quais 20% é ácido láurico, um ácido graxo de cadeia média de 12 carbonos.
Falando sobre a fonte dietética de ácido láurico/monolaurina, a aclamada nutricionista de celebridades e consultora de obesidade, a Dra. Naini Setalvad recomenda o óleo de coco. Ela diz: "A próxima melhor fonte de monolaurina após o leite materno é o óleo de coco, com 50% de sua gordura saturada como ácido laurico. O óleo de coco não possui gordura trans, que é comumente implicada em doenças cardíacas e síndrome metabólica".
O óleo de coco foi envolvido em controvérsias devido à presença de ácidos graxos saturados. No entanto, a Dra. Naini Setalvad dissipa todos os focos negativos que cercam o óleo de coco. Ela diz: "As gorduras são a nossa força vital, mesmo a maioria do cérebro é composta por gorduras saturadas. A gordura saturada do óleo de coco tem um comprimento de cadeia médio que o torna facilmente digerível sem seguir a via regular de digestão da gordura em colesterol. Isso faz com que o óleo de coco seja ideal para uma gama de problemas digestivos ".
Os especialistas em saúde enfatizam o perfil de ácidos graxos e o comprimento da cadeia de uma gordura como o fator mais importante na determinação da sua eficácia imunológica. A maioria dos ácidos graxos de cadeia média e alguns ácidos gordos de cadeia longa são conhecidos como benéficos para o sistema imunológico.






Falando sobre a crise imunológica enfrentada pela população atual, a Dra. Rosemarie de Souza, chefe da Unidade de Cuidados Intensivos Médicos do hospital BYL Nair, diz: "O abuso constante de antibióticos, o estilo de vida pobre, a composição da dieta, a poluição e a fraca imunidade tornaram a população realmente muito vulnerável. Isso se manifesta na forma de frio, tosse, gripe. Quando a invasão patogênica não tratada pode se intensificar em condições graves como tuberculose, asma e bronquite ".
A monolaurina exerce sua atividade anti-microbiana, interrompendo a cobertura (parede) externa das bactérias e dos vírus, deixando-os suscetíveis a ataques de ácidos biológicos e a ação dos órgãos imunes. Sabe-se que a monolaurina aumenta a imunidade geral, fortalecendo assim o hospedeiro contra qualquer ataque sazonal de patógenos.
A pesquisa mostra que o requerimento diário de ácido láurico é de cerca de 10 a 20 gramas por dia. Os conselhos da Dra. Naini Setalvad, "Eu recomendo o consumo regular de pelo menos 2 colheres de chá de óleo de coco em um dia como parte de uma dieta equilibrada e estilo de vida saudável. O óleo de coco encontra múltiplos usos, como óleo de salada ou como tempero ou em uma sobremesa para dar um agradável aroma de coco ".
A Dra. Setalvad listou uma série de condições contra as quais o óleo de coco é efetivo. Controle do peso, doenças cardíacas, condições hepáticas, condições degenerativas da pele, diabetes, artrite, envelhecimento prematuro, osteoporose e a lista continua. Ela acredita que a presença de ácidos gordurosos de cadeia média e os antioxidantes são o motivo pelo qual o óleo de coco encontra uso curativo, preventivo e paliativo nestas condições.
Uma pesquisa realizada pela Fundação HEAL revelou que 33% dos nutricionistas desconheciam o papel significativo dos ácidos graxos no aumento da imunidade. Outros 40% deles não preferem prescrever ácidos graxos especiais como parte de uma dieta que aumenta a imunidade. Isso demonstra, em grande parte, ser atribuído à falta de consciência para a monolaurina e os componentes de construção imunológica que ele fornece.


A Dra. Charu Dua, membro do fórum on-line, afirmou: "Incríveis 51% das nutricionistas pesquisadas desconheciam a monolaurina e como ela confere sua proteção. A monolaurina também está indicada em distúrbios digestivos e condições inflamatórias como a gastrite. A monolaurina mostrou-se eficaz contra uma série de vírus como o vírus Epstein Barr, o vírus do sarampo, e o vírus da gripe; junto com o controle do crescimento das infecções fúngicas e do trato urinário.
A Dra. Naini Setalvad explica o motivo desse resultado. Ela diz que "as gorduras são geralmente associadas a efeitos indesejáveis no peso e na saúde em geral. A seleção do tipo correto de gordura com um perfil desejado de ácidos graxos e o controle da porção pode fazer com que os ácidos graxos no óleo de coco virgem sejam um alimento estimulante ideal para o sistema imune.
Em todo o mundo, e as celebridades de Hollywood despertaram para os benefícios do óleo de coco virgem e o abraçaram cada vez mais como parte de sua dieta diária. Muitos ganharam boa saúde e remissão de seu sofrimento crônico pela inclusão do óleo de coco.






Nota do Nutricionista:

O óleo de coco é um alimento que ajuda incrivelmente na imunidade, e suas maiores fontes são em primeiro ligar o leite materno e logo após o óleo de coco.
O organismo do recém-nascido recebe uma proteção de extrema importância da monolaurina do leite materno; sabendo-se que o sistema imune da criança ainda imaturo, pode não vencer vários patógenos o que comprometeria a vida da mesma.
Falando sobre a crise imunológica enfrentada pela população atual, a Dra. Rosemarie de Souza, chefe da Unidade de Cuidados Intensivos Médicos do hospital BYL Nair, diz: “O abuso constante de antibióticos, o estilo de vida pobre, a composição da dieta, a poluição e a fraca imunidade tornaram a população realmente muito vulnerável. Isso se manifesta na forma de frio, tosse, gripe. Quando a invasão patogênica não tratada pode se intensificar em condições graves como tuberculose, asma e bronquite”.
A monolaurina exerce sua atividade antimicrobiana, destruindo a cobertura (parede) externa das bactérias e dos vírus, deixando-os suscetíveis a ataques de ácidos biológicos e a ação dos órgãos da imunidade. Sabe-se que a monolaurina aumenta a imunidade geral, fortalecendo assim o hospedeiro contra qualquer ataque sazonal de patógenos.

E a mídia ainda massacra o óleo de coco, inadmissível!



Referências:

3) Monolaurin and Caprylic Acid Kill Candida Antimicrob Agents Chemother. Bergsson G, Arnfinnsson J, Steingrímsson O , Thormar H.
4) Monolaurin Incorproates Into Gram Positive Bacteria Cell Membrane. Appl Environ Microbiol.Tokarskyy O, Marshall DL.
5) Monolaurin Reduces Gram Positive Bacteria Toxicity Antimicrob Agents Chemother. Schlievert PM, Deringer JR, Kim MH, Projan SJ, Novick RP.
6) Severity of Gram Positive Infection Reduced by Monolaurin Antimicrob Agents Chemother. Vetter SM, Schlievert PM.
7) Monolaurin Stops Toxicity of Many Gram Positive Bacteria Biochemistry. Peterson ML, Schlievert PM.
8) Monolaurin Effective Against H. Pylori FEMS Immunol Med Microbiol. Sun CQ, O'Connor CJ, Roberton AM.
9) Monolaurin Kills H. Pylori Int J Antimicrob Agents. Bergsson G, Steingrímsson O, Thormar H.
10) Monolaurin and Skin Infection J Drugs Dermatol. Carpo BG, Verallo-Rowell VM, Kabara J.
11) Monolaurin and Superstrain Infections Appl Environ Microbiol. Dufour M, Manson JM, Bremer PJ, Dufour JP, Cook GM, Simmonds RS.
12) Monolaurin May Reduce Vancomycin Resistance J Bacteriol. Ruzin A, Novick RP.
13) Monolaurin Provides Broad Immune Support ALTERNATIVE & COMPLEMENTARY THERAPIES Shari Lieberman, Mary G. Enig, Harry G. Preuss.
14) Monolaurin Effective Against Cytomegalovirus J Med Microbiol. Clarke NM, May JT.